Você sabe o que fazem os estudantes durante o Internato em Saúde Coletiva?

Com 40 anos de existência, disciplina possibilita formação completa do estudante


    07 de janeiro de 2019


    Com 40 anos de existência, a disciplina conhecida como Internato Rural possibilita uma formação completa do estudante

     *Guilherme Gurgel

    O Internato em Saúde Coletiva (Internato Rural) é uma disciplina obrigatória para os alunos dos últimos anos do curso de Medicina da UFMG e leva os estudantes para cidades do interior de Minas Gerais, onde moram e estagiam durante três meses. Essa é uma oportunidade dos alunos, cerca de 320 por ano, aprenderem a autonomia no atendimento em saúde, mas também de participar das ações que promovem desde a Atenção Primária à Saúde até a preservação ambiental.

    Arte: CCS

    Com participação de 33 cidades mineiras, a disciplina completou 40 anos da sua primeira turma em 2018. Seu objetivo é possibilitar os estudantes aprenderem mais de perto a relação entre a medicina e a sociedade. Para o professor e coordenador do Internato, Geraldo Cunha Cury, as diversas experiências contribuem para a formação completa do estudante. “É importante destacar o papel pioneiro do Internato da UFMG na formação do estudante junto à rede pública. Hoje essa experiência é obrigatória para todos os cursos de Medicina do país”, comenta.

    Essa proximidade com a rede pública também é destacada pelo primeiro coordenador do Internato em Saúde Coletiva da Faculdade, professor Francisco Campos. Ele defende a necessidade da saúde ser para todos e que os estudantes de Medicina desenvolvam essa consciência. “O Internato surgiu a partir da ideia de que o ensino médico não deve acontecer somente a nível hospitalar. Por isso o trabalho em comunidades rurais é uma oportunidade para a ampliação dos horizontes”, completa.

    Viver e trabalhar nas áreas rurais

    Como o Internato em Saúde Coletiva acontece distante dos grandes centros, a presença dos alunos é importante tanto para o seu aprendizado como uma oportunidade de contribuição às cidades. O secretário de saúde da cidade de Buenópolis-MG, Valdick Calixto, ressalta a importância da presença dos estudantes no município. “Os alunos que vem para o Internato são essenciais para a renovação das equipes, porque eles sempre trazem novas ideias de melhorias para a saúde dos habitantes”, conta.

    Entre as experiências, os alunos aprendem a adaptar às diferentes realidades, tanto em questão da estrutura física quanto em relação aos pacientes. A médica formada pela UFMG, Jéssica Arantes, por exemplo, relata ter encontrado uma dificuldade inicial no atendimento pela diferença na linguagem dos pacientes que atendeu durante o Internato em Saúde Coletiva. “É uma população humilde que ajuda nossa inexperiência a ser lapidada por terem paciência e permitir ser cuidada por nós. A nossa sede de aprendizado é muito bem acolhida, assim aprendemos a fazer um atendimento completo, sabendo escutar o paciente”, relata.

    Sobre o programa de rádio

    O Saúde com Ciência é produzido pelo Centro de Comunicação Social da Faculdade de Medicina da UFMG e tem a proposta de informar e tirar dúvidas da população sobre temas da saúde. Ouça na Rádio UFMG Educativa (104,5 FM) de segunda a sexta-feira, às 5h, 8h e 18h.

    O programa também é veiculado em outras 187 emissoras de rádio, distribuídas por todas as macrorregiões de Minas Gerais e nos seguintes estados: Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe, Tocantins e Massachusetts, nos Estados Unidos. Também é possível ouvir o programa pelo serviço de streaming Spotify.

    *Guilherme Gurgel– estagiário de Jornalismo

    Edição: Deborah Castro