Faculdade de Medicina

Universidade Federal de Minas Gerais


Programa de rádio da Faculdade de Medicina também aborda os alimentos transgênicos, orgânicos e integrais. Além disso, obesidade infantil e ortorexia, um transtorno alimentar ainda pouco explorado, são outros destaques.

A base de uma vida saudável pode significar comer de tudo, nem muito, nem pouco, e praticar exercícios físicos. E se é possível beneficiar o meio ambiente e os animais, além das próprias pessoas, melhor ainda. Essa é uma máxima de quem é adepto da dieta vegetariana, que, segundo estimativa divulgada na página da Sociedade Vegetariana Brasileira, já compreende cerca de 8% da população brasileira.

No vegetarianismo, não há o consumo de carne animal, mas esse consumo não é, necessariamente, exclusivo de vegetais. Isso porque os vegetarianos podem priorizar outros produtos de origem animal, como leite, queijo e ovos. No entanto, a professora do Departamento de Nutrição da Escola de Enfermagem da UFMG, Simone Generoso, indica que há uma preocupação com a dieta do vegetariano, relacionada à proteína e, especialmente, à vitamina B12, que tem como fontes principais a carne e seus derivados.

 

Ilustração: Carina Cardoso

“Então o vegetariano deve ter uma dieta balanceada, ligada ao alto consumo de grãos e oleaginosas: feijão, grão de bico, amaranto, castanha. Isso supre essa necessidade proteica. A preocupação maior é mesmo com a vitamina B12”, explica a professora. Mas ela pondera que, quando o indivíduo ingere leite e afins, o risco é mínimo.

Mas no caso do vegano, que não consome nenhum produto de origem animal – não utiliza roupas de lã nem maquiagem que contém cera de abelha, por exemplo –, Simone Generoso recomenda a suplementação alimentar com a vitamina B12.

De acordo com o professor do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina, Cezar Rezende, as gestantes devem ter atenção redobrada, já que a paciente vegetariana e, principalmente, a vegana, se é adepta dessa dieta há dez anos, por exemplo, terá uma provável carência alimentar se não fizer a suplementação. “E, se a pessoa engravida, aumenta essa necessidade, de modo que ela pode desenvolver uma anemia importante e ter problemas no desenvolvimento neurológico ou sanguíneo do recém-nascido também.”

Para Cezar Rezende, o ideal seria que, antes da gravidez, a paciente fizesse uma avaliação clínica e, caso necessário, dosagens dessas substâncias e vitaminas que possam estar carentes no organismo. “Deve-se começar a reposição antes de engravidar”, sugere.

O obstetra afirma ainda que, a longo prazo, uma dieta vegetariana equilibrada diminui o risco de diabetes, obesidade e de manifestações vasculares.

Tema da semana

Na série Alimentação Hoje, especialistas discutem alguns temas atuais, como vegetarianismo, alimentos transgênicos e obesidade infantil. Confira a programação:

Vegetarianismo e Veganismo – segunda-feira (15/04/2013)

Alimentos Transgênicos – terça-feira (16/04/2013)

Alimentos Orgânicos e Integrais – quarta-feira (17/04/2013)

Obesidade Infantil – quinta-feira (18/04/2013)

Ortorexia – sexta-feira (19/04/2013)

Sobre o programa de rádio

O Saúde com Ciência é produzido pela Assessoria de Comunicação Social da Faculdade de Medicina da UFMG e tem a proposta de informar e tirar dúvidas da população sobre temas da saúde. De segunda a sexta-feira, às 5h, 8h ou 18h03, ouça o programa na rádio UFMG Educativa, 104,5 fm. Ele ainda é veiculado em vinte e oito emissoras de rádio em Minas Gerais. Também é possível conferir as edições pelo site do Saúde com Ciência.

    Contador de visitas: 383 visualizações

    Veja também: