Acesso interno

UFMG sobe no ranking regional da Times Higher Education

Avaliação mais recente leva a Universidade à oitava posição entre as latino-americanas


    20 de junho de 2019 - , ,


    Vista do prédio da Reitoria da UFMG, no campus Pampulha
    Vista do prédio da Reitoria da UFMG, no campus PampulhaMarcílio Lana / UFMG

    A UFMG é a oitava melhor universidade da América Latina, segundo novo ranking divulgado, nesta semana, pela agência Times Higher Education (THE). Na classificação de 2018, a UFMG havia ficado em nono lugar no ranking regional. Além do Ranking Latinoamerica, a Times Higher Education também é responsável pelo Ranking Global, que avalia universidades de todos os continentes. No Ranking Global a UFMG é considerada a terceira melhor universidade brasileira, ficando na faixa 601-800 considerando todas as universidades do mundo. 

    Os rankings latinoamericano e global são baseados nos mesmos 13 indicadores de perfomance distribuídos entre ensino, pesquisa, transferência de conhecimento e internacionalização. A diferença no posicionamento entre os dois rankings é explicada pela Time Higher Education, que muda o peso dos indicadores na avaliação regional “para melhor refletir as características das universidades latinoamericanas”. 

    “É uma satisfação ver o trabalho sério e competente de nossa comunidade reconhecido por um dos mais prestigiosos ranking do mundo. Confirma que a UFMG, patrimônio do país, está entre as melhores universidades do mundo”, afirmou a reitora Sandra Regina Goulart Almeida. Ela ressalva, no entanto, que a instituição não pauta seu trabalho apenas pelos critérios dos rankings, uma vez que eles não conseguem medir todas as dimensões de sua atuação.

    De acordo com a reitora, é preciso manter o investimento nas instituições, sobretudo em tempos de crise. “Não se sai de uma crise como a que o país atravessa sem investimento em ciência, tecnologia e inovação”, disse.

    Sandra Goulart Almeida destacou que os resultados positivos “inspiram” a comunidade acadêmica a continuar lutando em defesa da Universidade pública e de recursos para o ensino superior e a pesquisa. “Se a UFMG consegue atingir patamares mais altos em rankings como o da THE, isso também confere mais projeção ao Brasil no cenário internacional”, disse.

    Treze indicadores

    O Times Higher Education analisou 150 universidades de 12 países da América Latina, segundo critérios que contemplam as características das instituições da região, ainda que com base nos mesmos 13 indicadores de performance do ranking global. As instituições que se dedicam intensivamente à pesquisa são avaliadas em todas as suas missões centrais: ensino, pesquisa, transferência de conhecimento e internacionalização.

    O diretor de Relações Internacionais, Aziz Tuffi Saliba, ressalta o esforço em incrementar a visibilidade da UFMG no exterior, por meio da participação em redes e eventos. “Mostramos nossos principais projetos e nos empenhamos para enviar e trazer mais pesquisadores. Além disso, a UFMG tem aumentado seu engajamento com instituições internacionais de grande peso acadêmico, como a Fulbright”, exemplifica.

    Redação: Cedecom/UFMG