Faculdade de Medicina

Universidade Federal de Minas Gerais


Notícias Externas

UFMG bate recorde histórico em número de depósito de patentes


Publicado em: ExternasNotícias - 9 de janeiro de 2017

Com 91 depósitos de pedidos de patentes junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), a UFMG bateu, em 2016, o próprio recorde histórico em inovação – no ano anterior, já figurava como líder em depósitos entre as universidades brasileiras, com 56 pedidos depositados.

Para o pró-reitor de Pesquisa, Ado Jorio de Vasconcelos, esses números refletem o desempenho da pesquisa na Universidade, já que a UFMG publica hoje praticamente o dobro de papers que produzia há dez anos e, no mesmo período, depositou cinco vezes mais patentes do que em toda sua história pregressa, licenciando para o setor privado dez vezes mais tecnologias do que em todos os anos anteriores.

“A tendência é que esse crescimento seja maior quando removidos diversos entraves de legislação”, prevê o pró-reitor, que preside comissão responsável por elaborar proposta de política de inovação para a UFMG, como define a lei nº 13.243/16, publicada em janeiro de 2016 e conhecida como Marco Legal da Ciência, Tecnologia e Inovação.

O reitor Jaime Ramírez comemora o resultado, destacando que em um ano a UFMG elevou o número de depósitos de patentes junto ao INPI em 62,5%. Para o dirigente, o resultado deriva de um esforço coletivo da comunidade universitária, envolvendo diversas áreas do conhecimento. Ele ressalta que “o resultado reflete a maturidade da pesquisa desenvolvida na UFMG, uma maior conscientização de seus pesquisadores da importância da proteção do conhecimento gerado e o apoio institucional. Esse resultado reflete o resultado dessa política institucional”.

Jaime Ramírez reforça ainda a importância de a UFMG estar atenta ao oferecimento do conhecimento gerado no ambiente acadêmico para a utilização social. “O futuro sinaliza claramente para a crescente interação entre academia e sociedade”. Assim, as diversas linhas de atuação da UFMG, “sempre que possível, devem contemplar a transferência de tecnologias, físicas e sociais, para a sociedade”, afirma.

Com 91 depósitos de pedidos de patentes junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), a UFMG bateu, em 2016, o próprio recorde histórico em inovação – no ano anterior, já figurava como líder em depósitos entre as universidades brasileiras, com 56 pedidos depositados.

Para o pró-reitor de Pesquisa, Ado Jorio de Vasconcelos, esses números refletem o desempenho da pesquisa na Universidade, já que a UFMG publica hoje praticamente o dobro de papers que produzia há dez anos e, no mesmo período, depositou cinco vezes mais patentes do que em toda sua história pregressa, licenciando para o setor privado dez vezes mais tecnologias do que em todos os anos anteriores.

“A tendência é que esse crescimento seja maior quando removidos diversos entraves de legislação”, prevê o pró-reitor, que preside comissão responsável por elaborar proposta de política de inovação para a UFMG, como define a lei nº 13.243/16, publicada em janeiro de 2016 e conhecida como Marco Legal da Ciência, Tecnologia e Inovação.

O reitor Jaime Ramírez comemora o resultado, destacando que em um ano a UFMG elevou o número de depósitos de patentes junto ao INPI em 62,5%. Para o dirigente, o resultado deriva de um esforço coletivo da comunidade universitária, envolvendo diversas áreas do conhecimento. Ele ressalta que “o resultado reflete a maturidade da pesquisa desenvolvida na UFMG, uma maior conscientização de seus pesquisadores da importância da proteção do conhecimento gerado e o apoio institucional. Esse resultado reflete o resultado dessa política institucional”.

Jaime Ramírez reforça ainda a importância de a UFMG estar atenta ao oferecimento do conhecimento gerado no ambiente acadêmico para a utilização social. “O futuro sinaliza claramente para a crescente interação entre academia e sociedade”. Assim, as diversas linhas de atuação da UFMG, “sempre que possível, devem contemplar a transferência de tecnologias, físicas e sociais, para a sociedade”, afirma.

Composta por nove docentes de todas as áreas do conhecimento e com histórico de excelência na área, a comissão presidida por Ado Jorio começou a trabalhar em dezembro do ano passado e deve elaborar, até o fim de março, documento com normatizações relativas a temas como compartilhamento de laboratórios da UFMG com empresas privadas e a postura institucional do pesquisador que é também empreendedor.

Responsável pela gestão das tecnologias geradas pela Universidade, a Coordenadoria de Transferência e Inovação Tecnológica (CTIT) tem diversas demandas de transferência de tecnologias que ainda não foram atendidas por falta de definições legais. “A falta de normatização já está travando algumas transferências”, enfatiza o diretor da CTIT, professor Gilberto Medeiros.

Segundo ele, o objetivo é que o ambiente de inovação tenha mais clareza para toda a comunidade e agilize os processos que culminam com depósito de patentes e transferência de tecnologia.

O reitor Jaime Ramírez destaca a importância do trabalho da comissão, lembrando que a lei nº 13.243/16 não é autoaplicável – cada Instituição de Ciência e Tecnologia (ICT) deve definir as próprias políticas de inovação, em sua amplitude local e regional, em consonância com a legislação federal.

Com Centro de Comunicação da UFMG e Assessoria da CTIT.

    Contador de visitas: 218 visualizações

    Veja também: