A pesquisa do ex-doutorando da Faculdade de Medicina da UFMG, Jorge Miguel Schetino César, com orientação do professor do Departamento de Cirurgia da Instituição, Andy Pretoianu, recebeu o Prêmio Brant Paes Leme, a maior das premiações concedidas pelo Colégio Brasileiro de Cirurgiões. Seu estudo, “Soluções de água de coco modificada para preservação de transplantes autógenos esplênico, ovariano e cutâneo de ratos”, ganhou o prêmio por ser o melhor trabalho de pesquisa em cirurgia, de acordo com o Colégio.

A tese, defendida em 2014, testou a utilização de água de coco como solução preservadora de órgãos para transplante. “O resultado foi tão bom quanto o das soluções de preservação que existem no mercado, que são muito mais caras do que a água de coco, com os mesmos resultados”, explica Petroianu, também idealizador do projeto. Os autores já patentearam a água de coco para essa finalidade.

“Sinto-me incentivado a continuar, para engrandecer de nossa Faculdade, prestigiada, neste caso, pela tese, pela patente e pelo prêmio”, afirma Petroianu. Schetino concorda com o professor. “É muito gratificante ter o reconhecimento do projeto. É um estímulo para nós continuarmos com as pesquisas”, conta.

Os professores, do Departamento de Propedêutica da Faculdade, Leonardo de Souza Vasconcelos, e do Departamento de Anatomia Patológica, Alfredo José Afonso Barbosa, também estão na coautoria da tese, por terem auxiliado na coleta e análise dos dados, e receberão as honrarias do Colégio Brasileiro de Cirurgiões.

A premiação, que será entregue no dia 23 de julho deste ano, na Sessão Comemorativa do 87º Aniversário do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, consiste em uma medalha para Jorge Miguel e Andy, e um diploma para todos os autores.

    Contador de visitas: 614 visualizações

    Veja também: