Faculdade de Medicina

Universidade Federal de Minas Gerais


Saúde sem restrições


Publicado em: Especial - 10 de julho de 2013

Muitas das chamadas “dietas da moda” são restritivas e podem até mesmo gerar sérios problemas para quem não consulta um profissional de saúde antes de segui-las. Aquelas que cortam um tipo de alimento definitivamente do cardápio têm se tornado comuns. O glúten, a lactose e o carboidrato são três itens que têm sido excluídos por quem deseja perder peso.

O nutrólogo Henrique Oswaldo Gama Torres, professor do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da UFMG (CLM), explica as reações do nosso organismo a esses tipos de dietas.

Glúten

O glúten é uma proteína encontrada principalmente em alimentos como trigo, cevada, centeio e aveia. Para quem tem a doença celíaca, que consiste na intolerância ao glúten, essa proteína pode provocar uma resposta imunológica no intestino, que altera a mucosa intestinal e faz com que a absorção de nutrientes não seja completa. Isso também pode causar sintomas como diarreia, vômito e mal-estar.

Porém, o professor afirma que, para aqueles que não apresentam nenhuma sensibilidade ao glúten, tirar ou manter essa proteína na dieta não vai trazer nenhuma alteração significativa. Segundo Henrique Torres, a exclusão pode até ocasionar perda de peso, mas porque pão, cerveja, alguns doces e outros alimentos que contêm glúten são calóricos e, em excesso, podem ser prejudiciais.

Henrique Torres lembra que dietas restritivas podem levar o paciente a comer outros alimentos em quantidade maior do que o necessário, para tentar suprir aquele alimento que ele não ingere.

Lactose

A lactose é o açúcar do leite. A intolerância, neste caso, se deve à falta da lactase, enzima necessária para a quebra da lactose. Isso pode causar dificuldades na digestão após ingerir algum alimento lácteo. Os sintomas mais comuns são inchaço abdominal, cólicas, diarreia, gases, dentre outros.

Mais uma vez, aqueles que não têm nenhuma alergia ao leite ou intolerância à lactose não precisam retirar os derivados do leite da dieta, o que, inclusive, pode ser um risco. É que eles são as principais fontes de cálcio e fósforo de uma dieta saudável, e seu consumo é importante para se obter tais nutrientes.

Carboidrato

O carboidrato é a principal fonte energética para a respiração celular e outras funções essenciais no nosso organismo. Uma dieta saudável, segundo Henrique Torres, deve ser composta por pelo menos 50% de carboidratos.

Muitos, ao tentar perder peso rapidamente, retiram completamente esta fonte de energia da dieta e, em alguns casos, conseguem um resultado imediato. Porém, essa restrição pode causar danos ao organismo. Ao ter uma dieta baseada principalmente em proteínas e gorduras, nosso corpo passa a ter um gasto energético maior para realizar funções simples, o que pode causar fraquezas e outros problemas. Além disso, uma dieta restrita ao consumo somente de proteínas e gorduras pode levar ao excesso de colesterol e triglicérides,e,assim, contribuir para as doenças cardíacas, por exemplo.

Para aqueles que querem ter uma dieta saudável e temem o consumo de carboidratos, o nutrólogo aconselha a substituição pela versão integral do arroz e do pão, por exemplo, o que traz maiores benefícios nutricionais ao organismo. Outra dica é não exagerar.

“As pessoas estão engordando devido a um ambiente obesogênico”, afirma Henrique Torres. Ele lembra que os alimentos mais disponíveis são aqueles com “calorias de baixo custo” como os fast foods. Além disso, esse ambiente é cercado de pessoas sedentárias que nem ao menos usam as escadas, preferindo elevadores e escadas rolantes. Ele também reforça que uma dieta saudável é aquela que balanceada, sem restrições e excessos.

Leia também: Vale tudo para emagrecer?

Dieta para crianças requer cuidados

    Contador de visitas: 351 visualizações

    Veja também: