Acesso interno

Professor da Faculdade reforça dever do homem no combate ao machismo


08 de março de 2019


Professor da Faculdade de Medicina, Ulysses Panisset, participa do seminário Mulheres em Foco e promove reflexões sobre a opressão diária contra as mulheres. Foto: Carol Morena.

“Mesmo quando lutamos ativamente contra, nossas atitudes podem apresentar traços machistas e devemos estar atentos a elas”, avaliou o professor do Departamento de Medicina Preventiva e Social, Ulysses Panisset. Ele abordou os mecanismos presentes na estrutura da sociedade e que sistematizam o machismo, durante o seminário “Mulheres em Foco”, realizado nesta sexta-feira, 8 de março, na Faculdade de Medicina da UFMG.

De acordo com o professor, é preciso refletir sobre a forma como o machismo está internalizado em nossa cultura e a importância da autocompreensão, principalmente entre os homens, para que machismo e masculinidade não se confundam. “Ninguém quer impedir os homens de serem masculinos, essa é simplesmente uma característica ligada ao gênero, com toda a sua variedade de expressões. Porém, essa não deve ser uma masculinidade para dominação, poder, força e nem autoritarismo”, esclareceu Ulysses.

Ele reforçou o papel do feminismo no processo de reconhecimento de atitudes e traços machistas. “O feminismo é uma ética e uma política que pode melhorar a autocompreensão das pessoas e, desse modo, ajudar a melhorar suas vidas”, completa.

Parafraseando a filósofa e escritora Márcia Tiburi, o professor reconheceu seu lugar de fala em um debate sobre mulheres e para mulheres, mas ressaltou a importância de todos os gêneros discutirem essa questão. “Em um tempo que muitos veem o ‘marxismo cultural’ e a ‘ideologia de gênero’ como maiores perigos para a sociedade, a verdadeira importância está em entender o machismo cultural que está presente em diversas camadas”, reflete.

Segundo o professor, não adianta combater apenas os machistas e o machismo em si. É preciso lutar contra a estrutura machista presente em diversas camadas da sociedade, inclusive nas políticas e estratégias de saúde.  “É um sistema que reflete na violação de direitos humanos, discurso de ódio, medo e intolerância para a sociedade”, acrescenta Ulysses.

Saúde sem sexismo

Ele destacou o papel dos profissionais de Saúde no combate dessas estruturas. “Durante muito tempo, as políticas de saúde pública e da própria Organização Mundial de Saúde (OMS) se reduziam ao órgão reprodutor da mulher. Hoje, a OMS já reconhece o cuidado com a vida sexual de qualidade como um direito”, ressalta.

Para Ulysses Panisset, o serviço de saúde tem importante papel no acolhimento de vítimas de violência de gênero, principalmente na Atenção Primária, por ser o primeiro ponto de acolhimento às mulheres. Para isso, de acordo com o professor, é preciso que os profissionais estejam abertos para ouvir e entender, sem uma posição normalizadora ou prescritiva.

“É essencial que todos, especialmente os profissionais de saúde, se mantenham vigilantes e tenham atenção para combater o machismo sistematizado”, conclui.

Leia também:Mulheres em foco: Marlise Matos, da UFMG, alerta para violência contra mulheres na política

Dificultar o acesso ao aborto legal é uma violação dos direitos das mulheres

Conheça iniciativas de acolhimento e combate à violência contra mulheres