Acesso interno

PrEP: saiba o que é verdade e o que é mito sobre o medicamento

Infectologista Unaí Tupinambás respondeu dúvidas e desmentiu boatos sobre o método de prevenção ao HIV


    28 de novembro de 2019 - , , ,


    A PrEP (Profilaxia Pré-exposição ao HIV) é um método que tem a função de proteger o indivíduo da contaminação pelo vírus HIV. Desde 2017, a população de risco pode ter acesso a ela pelo SUS. Esse método é ainda recente e acaba gerando muitas dúvidas entre as pessoas. Para explicar melhor sobre a pílula (composta por tenovir e emtricitabina), convidamos o professor Unaí Tupinambás, do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da UFMG para responder algumas perguntas sobre o método. 

    Confira abaixo as respostas:

    A PrEP é recomendada para algum grupo específico? 

    Verdade. Pelos dados da Organização Mundial da Saúde e do Brasil, há uma população de alta vulnerabilidade ou população chave para o HIV. Essas pessoas são os homens gays, homens que fazem sexo com homens, mulheres trans e os profissionais do sexo.

    Todas as pessoas podem usar a PrEP?

    Mito. Pessoas consideradas de baixo risco não são aconselhadas a usar a PrEP, porque nesse caso as chances de efeito colateral são maiores do que o benefício. Indivíduos que já tiveram ou tem algum problema hepático são orientadas a não utilizar a PrEP, já que o medicamento pode afetar tanto a função do rim quanto a função do fígado e agravar o quadro. 

    Casais sorodiscordantes que querem engravidar não podem fazer uso da PrEP?

    Mito. Casais sorodiscordantes são aqueles em que ele ou ela tem o vírus do HIV e o outro não. Eles devem procurar o serviço de saúde médico. A pessoa que vive com o vírus HIV tem que ter uma carga viral indetectável e boa saúde. Aquele que não tem o vírus começará a usar a PrEP quando eles forem tentar engravidar. Assim, a proteção aumenta acima de 95%.

     A PrEP pode sobrecarregar outros órgãos?

    Verdade. Assim como todo medicamento de uso crônico, que podem trazer alguns problemas de saúde. No caso da PrEP a atenção principal é para o rim e composição do osso. Contudo, o benefício da PrEP suplanta os riscos. 

    Outras IST’s, além do HIV, são prevenidas pela PrEP?

    Mito. A PrEP previne apenas o HIV. Por isso é importante fazer a prevenção combinada, usar preservativo, usar a PrEP e testar sempre para o HIV e outras IST’s.

    Os usuários da PrEP são informados sobre a prevenção combinada?

    Verdade. Orientamos todos os participantes do projeto do PrEP SUS. Quando eles vão ao serviço de saúde, além de pegar o medicamento, eles também levam preservativo e lubrificante. Sempre são orientados a fazer uso do preservativo. 

    O custo do coquetel é menor do que o da PrEP?

    Mito. Como a PrEP é uma parte do coquetel, ela é bem mais barata.

    A PrEP tem efeito colateral?

    Verdade. Como todos os outros medicamentos. Orientamos os usuários sobre aqueles efeitos colaterais que são graves e os que podem ser controlados por medicamentos ou que passam com o tempo, como náusea e gases. Já os efeitos mais graves, felizmente raros, orientamos o retorno ao serviço médico para fazer exames de reavaliação pela equipe médica.

    O medicamento tem efeito imediato?

    Mito. Os homens devem esperar uma semana para ter níveis de proteção no sangue e na mucosa. Já as mulheres precisam de proteção também na mucosa vaginal, então são necessários 10 a 15 dias. O medicamento deve ser tomado uma vez ao dia de forma contínua. 

    Como faço para ter acesso a PrEP?

    Para usar o medicamento é necessário entrar em contato com o serviço de saúde da sua cidade que oferece o medicamento. Assim, basta se cadastrar na lista de espera para utilizar a PrEP.

    Saiba aqui onde encontrar a PrEP na sua cidade.