Acesso interno

Pesquisadores da UFMG vão medir cobertura vacinal em BH


07 de novembro de 2007


Inicia-se neste sábado, dia 10 de novembro, um estudo de campo conduzido por um grupo de professores da Faculdade de Medicina da UFMG em Belo Horizonte com o objetivo de medir nas crianças nascidas em 2005 a efetiva cobertura das vacinas que compõem o Calendário Básico de Vacinação da Criança, recomendado pelo Ministério da Saúde (MS).

Outro objetivo do inquérito é estimar se, como e em qual proporção são utilizados os serviços privados para a imunização infantil. Também será avaliada a precisão dessa cobertura, considerando-se os dados por extrato social.

Realizado pelo MS e pela Organização Pan-americana de Saúde (OPAS), o Inquérito está sendo realizado nas áreas urbanas de todas as capitais brasileiras, considerando-se a importância de se conhecer a real situação da vacinação nas grandes cidades para a efetiva promoção da saúde pública brasileira. Em Belo Horizonte, a Prefeitura Municipal apóia a iniciativa.

O porquê

Segundo a professora Elisabeth França, do Grupo de Pesquisas em Epidemiologia e Avaliação em Saúde (Gpeas) do Departamento de Medicina Preventiva e Social da Faculdade de Medicina da UFMG, uma das coordenadoras da pesquisa em Belo Horizonte, “diferentes coberturas dentro do município nem sempre são detectadas pelos registros de rotina e representam risco de acúmulo de crianças suscetíveis a agentes infecciosos”.

O inquérito em BH prevê a visitação a 1050 crianças, em vários bairros da cidade, escolhidos por sorteio. O responsável pela criança será convidado a participar do processo e deverá apresentar o cartão de vacinação da criança e responder a um rápido questionário.

Conheça o Calendário de Vacinação do MS

Fácil e rápido

A professora esclarece que “a entrevista é rápida e as informações colhidas são fundamentais para avaliar se as crianças foram realmente vacinadas com doses válidas, ou seja, de acordo com as recomendações de idade e intervalos entre doses”.

Quanto maior for o número de pessoas protegidas pelas vacinas, menores as chances de que ocorram epidemias tais como por sarampo, difteria, poliomielite, e outras doenças preveníveis por vacinação.

“Mesmo com o reconhecimento nacional e internacional do êxito do Programa Nacional de Imunização do Brasil no controle de doenças evitáveis, é importante ser interpretada a real cobertura da vacinação na cidade”, avalia A coordenadora local do Inquérito, lembrando que, apesar deste sucesso, ainda ocorrem surtos esporádicos.

Apoio da população

Elisabeth França chama a atenção para o fato de que o êxito do inquérito, coordenado nacionalmente por um grupo de pesquisadores da Santa Casa de São Paulo, depende fundamentalmente da contribuição da população de BH.

“As entrevistas começam no dia 10 de novembro, e continuam durante quatro fins de semana, até serem visitadas todas as famílias selecionadas”, informa, pedindo que os belorizontinos recebam os pesquisadores da UFMG e forneçam as informações solicitadas. “É tudo muito rápido”, reforça.

COLETIVA
As coordenadoras da pesquisa em BH e o coordenador nacional, professor Paulo Carrara, da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, estarão à disposição da imprensa, das 13h às 15 horas, na próxima quinta-feira, dia 8 de novembro, na sala 44 da Faculdade de Medicina da UFMG.

Leia nota técnica do MS

Redação: Marcus Vinicius dos Santos – Jornalista