Avaliação será sobre as dificuldades na comunicação interpessoal e o comportamento inflexível dessas pessoas

Pessoas entre 18 e 60 anos com o diagnóstico ou suspeita de Síndrome de Asperger –autismo de alto funcionamento – podem participar como voluntários de uma pesquisa desenvolvida pelo Laboratório de Neurociência e Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da UFMG. A mestranda Ana Luíza Costa pretende avaliar como as dificuldades na comunicação interpessoal e o comportamento inflexível dessas pessoas se relaciona na funcionalidade diária e na capacidade adaptativa. A pesquisadora explica que os participantes receberão o resultado de escalas que avaliam traços do espectro autista e saúde mental. Em seguida, ele será convidado a participar de outras fases do projeto.

Os interessados precisam responder a um questionário. Mais informações pelo e-mail projetotea.medicina.ufmg@gmail.com.

 A síndrome

A síndrome de Asperger é um tipo de autismo de alto funcionamento, de acordo com a psicóloga Ana Luíza Costa. Ela explica que essas pessoas podem ter uma vida relativamente normal, já que possuem capacidade de desenvolver algumas habilidades. Em entrevista à TV UFMG, um autista fala sobre como é conviver com a síndrome.

Entrevistados: Ana Luíza Costa (mestranda da Faculdade de Medicina da UFMG) e Victor Mendonça (autista).
Produção: Ludmilla Cabral e Gabriel José
Reportagem: Ludmilla Cabral
Imagens: Cássio Soares
Edição de imagens: Marcia Botelho e Otávio Zonatto

Com TV UFMG

    Contador de visitas: 627 visualizações

    Veja também: