Faculdade de Medicina

Universidade Federal de Minas Gerais


Notícias Internas

Participação de mulheres na política é tema do Café Controverso de sábado


Publicado em: AgendaInternas - 9 de março de 2018

Professora da UFMG e assessora da Procuradoria Eleitoral discutem desigualdade em cargos eletivos

Discutir os entraves históricos que dificultam a participação política da população feminina e a realidade contemporânea é a proposta do Café Controverso – Mulheres em cargos no legislativo e executivo, que será realizado neste sábado, 10 de março, às 11h, na Cafeteria do Espaço do Conhecimento UFMG. A entrada é gratuita, e o público está convidado a participar da discussão.

Participam do debate Marlise Matos, professora do Departamento de Ciência Política da UFMG e coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre a Mulher (Nepem), e Thaís Gonçalves, assessora na Procuradoria Regional Eleitoral em Minas Gerais (PRE-MG).

Marlise e Thaís vão refletir sobre a participação e a representação de mulheres na política formal, ainda muito distantes da composição da população brasileira. No âmbito mundial, o Brasil apresenta uma das proporções mais desiguais entre homens e mulheres em cargos eletivos, ficando atrás de países como Arábia Saudita e Afeganistão. Na América Latina, o país ocupa a antepenúltima posição no ranking de representação feminina na política. Nas diferentes instâncias, elas não chegam a ocupar nem 10% das cadeiras.

Lei não é suficiente
Para a professora Marlise Matos, da UFMG, a ideia de que as mulheres não querem ou não sabem participar da política é falaciosa. “Não existe movimento social sem a força e a luta das mulheres.  O problema é que elas encontram mais obstáculos para se candidatarem e se elegerem, como a múltipla jornada de trabalho e a dificuldade em captar recursos para campanhas”, destaca a professora, que acumula experiência de três décadas de pesquisa sobre o tema

A partir de 2009, os partidos passaram a ser obrigados a comporem as chapas com pelo menos 30% de candidatas e investir no mínimo 5% do fundo partidário em participação feminina. Contudo, como destaca Thaís Gonçalves, assessora da Procuradoria Regional Eleitoral em Minas Gerais (PRE-MG), os avanços têm ficado só no papel.

“Desde as últimas eleições, em 2014, nós percebemos um aumento no número de fraudes na candidatura de mulheres, como o recebimento de zero voto e a inexistência de campanha eleitoral. Em certos casos, muitas delas nem sabiam que eram candidatas. Só a cota não é capaz de aumentar a participação feminina”, afirma. Thaís defende, ainda, a necessidade de discutir novas propostas para transformar as candidaturas em paridade efetiva na ocupação das cadeiras.

Espaço do Conhecimento
O Espaço do Conhecimento UFMG estimula a construção de um olhar crítico acerca da produção de saberes. Sua programação diversificada inclui exposições, cursos, oficinas e debates. Integrante do Circuito Liberdade, o museu é fruto da parceria entre a UFMG e o Governo de Minas. O Espaço está subordinado à Diretoria de Ação Cultural (DAC) da universidade, é amparado pela Lei Federal de Incentivo à Cultura e conta com patrocínio da Unimed-BH e do Instituto Unimed-BH.

O Espaço do Conhecimento fica na Praça da Liberdade, 700, Funcionários.

 Mais informações: 3409 8350.

Redação: com Cedecom/UFMG

    Contador de visitas: 41 visualizações

    Veja também: