Pesquisa verifica a possibilidade da hepatite C ter outras manifestações, além de afetar o funcionamento do fígado

A hepatite C crônica é considerada um dos principais problemas de saúde pública no mundo. Além de manifestações no fígado, podem surgir outros sintomas ao longo do tempo, como o surgimento de transtornos psiquiátricos. Essa relação foi analisada na dissertação de Mestrado da psiquiatra Maria Carolina Castro, defendida junto ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Aplicadas à Saúde do Adulto da Faculdade de Medicina UFMG.

“Muitas pesquisas avaliam apenas a depressão nesses indivíduos. Nós avaliamos outros transtornos psiquiátricos (transtornos de ansiedade, dependência química, transtornos psicóticos, de humor em geral, entre outros) e a relação entre eles”, destaca a autora. “Além disso, os pacientes avaliados não estavam fazendo uso de medicações para a hepatite C no momento em que esses transtornos foram avaliados, diminuindo o risco da interferência dessas substâncias nos surgimentos de transtornos psiquiátricos”, continua.

Segundo Maria Carolina, os resultados do seu estudo podem ajudar a verificar as evidências de que a infecção pelo vírus hepatite C não afeta apenas o fígado. Ou seja, várias manifestações extra-hepáticas, manifestações da doença fora do fígado, são identificadas em pacientes infectados cronicamente por esse vírus.

otima-noticia-tratamento-hepatite

Além de manifestações no fígado, podem surgir outros sintomas. Imagem: reprodução/internet

Relação da hepatite C com transtornos psiquiátricos

A pesquisa contou com 151 pacientes do estado de Minas Gerais, atendidos no Centro de Referência para Hepatites Virais no Hospital das Clínicas da UFMG. A análise considerou as características clínicas, psiquiátricas e o estilo de vida dos pacientes atendidos, buscando um entendimento integral através da equipe multidisciplinar.

Foram utilizados questionários clínicos e realizada consultas psiquiátricas de aproximadamente 40 minutos cada. “Utilizamos questionários padronizados para coletar informações sociodemográficas, clínicas, laboratoriais, virológicas e dados sobre o estilo de vida”, disse Maria Carolina.  De acordo com ela, os diagnósticos psiquiátricos ainda foram confirmados pela avaliação clínica cuidadosa de especialistas e pela aplicação de uma de uma entrevista diagnóstica padronizada chamada M.I.N.I Plus. Os casos de cada indivíduo foram discutidos com hepatologistas (especialista em doenças do fígado), psiquiatras, nutricionistas e enfermeiros, auxiliando no plano de tratamento dessas pessoas.

Os resultados mostraram que a hepatite C crônica está associada ao aumento de transtornos psiquiátricos. “Transtorno Depressivo Maior, abuso ou dependência de álcool e outras drogas e transtornos de ansiedade foram os mais frequentemente identificados na população de pacientes ambulatoriais avaliada”, conta a psiquiatra.

Ela também encontrou que pacientes com HCC e diagnóstico de transtorno psiquiátrico atual eram relativamente mais jovens do que os sem diagnóstico atual, alem de que os transtornos relacionados ao uso de álcool e outras drogas foram mais frequentes em homens do que em mulheres. “A presença de cirrose hepática nessa população foi associada ao abuso ou dependência de álcool, diabetes mellitus e AST elevada (importante enzima usada como ferramenta para o diagnóstico das doenças do fígado)”, acrescenta Maria Carolina.

A pesquisadora ressalta que a relação é complexa e ainda não foi totalmente esclarecida. “O aumento de transtornos psiquiátricos pode estar relacionado à ação do vírus da hepatite C diretamente no Sistema Nervoso Central. Mas isso ainda está sendo estudado”, afirma a pesquisadora. “Outro aspecto é que os indivíduos com alguns transtornos psiquiátricos também apresentam maior chance de adquirir o vírus da Hepatite C por serem mais expostos a ele em algumas situações (uso de drogas injetáveis, relações sexuais desprotegidas, por exemplo)”, completa.

Manifestações extra-hepáticas e atendimento interdisciplinar

Maria Carolina alerta que a presença de transtornos psiquiátricos pode afetar os indivíduos com hepatite C crônica de diversas maneiras. “Podem influenciar negativamente o curso da doença, causando impacto na funcionalidade, reduzindo a qualidade de vida, intensificando sintomas físicos e diminuindo a adesão ao tratamento para a hepatite”, explica.

Dessa forma, diante da relação da hepatite C crônica com os transtornos psiquiátricos e outras manifestações extra-hepáticas, a psiquiatra defende o atendimento interdisciplinar e multiprofissional para essa população. “Isso contribuirá com “olhares” e “saberes” diferentes e complementares, favorecendo a integralidade da assistência aos pacientes com HCC”, declara.

Do mesmo modo, argumenta que uso de álcool e de outras drogas, em especial, deve ser um foco essencial das pesquisas pelos profissionais que lidam com doentes acometidos pela hepatite C crônica. “O álcool é considerado fator de risco para infecção pelo vírus da Hepatite e está relacionado à progressão mais rápida da doença hepática. Além desse aspecto, o uso de drogas injetáveis é o principal meio de transmissão do vírus na atualidade”, lembra Maria.
Titulo: Transtornos psiquiátricos e hepatite C crônica: avaliação de pacientes atendidos em centro de referência para hepatites virais em Minas Gerais

Nível: Mestrado

Programa: Saúde do Adulto

Autora: Maria Carolina Magalhães de Castro

Orientadora: Luciana Diniz Silva

Coorientador: Fernando Silva Neves

Defesa:  17 de dezembro de 2015

 

    Contador de visitas: 1.357 visualizações

    Veja também: