Nupad capacita equipe do Senegal


Publicado em: Notícias - 15 de março de 2010

Duas profissionais de saúde do Senegal participam, em março, de um programa de treinamento em doença falciforme coordenado pelo Núcleo de Ações e Pesquisa em Apoio Diagnóstico da Faculdade de Medicina da UFMG (Nupad).

A bioquímica Philomene Sall e a técnica superior de laboratório Ndéye Khady Kébe participam de treinamento no Laboratório de Triagem Neonatal para Hemoglobinopatias do Nupad e do Diagnóstico Laboratorial das Hemoglobinopatias, na Faculdade de Farmácia da UFMG

Também está prevista uma série de visitas técnicas que serão importantes para a contextualização do Programa Estadual de Triagem Neonatal. Parte do Projeto de Cooperação Técnica e Científica Brasil/Senegal para a Doença Falciforme, a iniciativa inclui o treinamento

De acordo com Sall, foram muitos avanços após uma primeira visita técnica no Nupad, quando vieram conhecer o Programa, no sentido de sensibilizar as autoridades de saúde do Senegal para a necessidade de um plano nacional para o controle da doença. “A partir disso, junto a profissionais e autoridades de saúde, realizamos um workshop para refletir sobre a importância da criação de um programa de triagem neonatal para doença falciforme e de um centro de referência no Senegal”, destacou a bioquímica.

O objetivo, desta vez, segundo as profissionais, é ter conhecimento mais aprofundado das técnicas laboratoriais e práticas do programa, incluindo o controle do tratamento, para formar as bases para um programa senegalês. “Vamos aprender as técnicas e nos inspirar em Minas Gerais como referência para criar um programa de triagem em escala nacional no Senegal”, ressaltou Sall.

A partir desse treinamento, as profissionais esperam organizar cursos para formação técnica de profissionais de saúde do Senegal e discutir com as autoridades de saúde o início de uma “triagem focada”, apenas para as crianças cujas mães apresentarem a doença ou o traço falciforme em testes durante o pré-natal. Esta é uma forma de “aproveitar os escassos recursos do país no controle da doença”, segundo a bioquímica.

Histórico
Iniciado durante o seminário internacional sobre doença falciforme realizado em Dakar, capital do Senegal, em outubro de 2007, o projeto de cooperação firmado entre brasileiros e senegaleses já contou, em uma semana de maio de 2008, com uma visita técnica de médicos e biólogos do país da África Ocidental às instalações das unidades envolvidas no Programa Estadual de Triagem Neonatal (PETN-MG).

Na ocasião, o médico senegalês Ibrahima Diagne ressaltou que o Brasil é um exemplo na triagem, pois, há tempos, sanou problemas similares aos que Senegal enfrenta atualmente. “Não temos um programa de triagem nacional como o do Brasil, no entanto, a incidência da doença é cinco vezes maior. Queremos implementar essa tecnologia e assistência no nosso país”, destacou.

Redação: Assessoria de Comunicação do Nupad/Faculdade de Medicina da UFMG.

Foto:
Vinícius Utsch

    Contador de visitas: 252 visualizações

    Veja também: