Acesso interno

Não alimente a sua enxaqueca

Alguns alimentos favorecem o surgimento desse quadro. Já bons hábitos de sono e prática de atividades físicas contribuem para reduzir as crises de dores


    12 de agosto de 2019 - , , ,


    Enxaqueca acomete em torno de 15% da população mundial, segundo OMS. Foto: Carol Morena

    Dores de cabeça frequentes e latejantes são os sintomas mais comuns da enxaqueca, quadro que acomete em torno de 15% da população mundial, isto é, mais de 30 milhões de pessoas, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Essa é uma doença crônica que não tem cura. Por outro lado, tratamentos com medicamentos e outras medidas de orientação, como evitar alguns alimentos, não ficar muito tempo em jejum e evitar bebida alcoólica, são algumas das sugestões para quem quer reduzir crises de dor.

     “Chocolates, vinhos, cerveja e, principalmente a falta de alimentos, o jejum, desencadeiam enxaquecas nas pessoas”, exemplifica neurologista e coordenador do Ambulatório de Cefaleias do Bias Fortes, do complexo do Hospital das Clínicas da UFMG, Rodrigo Santiago.

    De acordo com o especialista, outros alimentos que podem provocar essa condição quando consumidos em excesso são frutas cítricas, como laranjas e limões. “Mas é importante que o paciente consulte um médico para descobrir quais são esses alimentos que desencadeiam as dores em cada paciente”, orienta Rodrigo.

    O neurologista e professor do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da UFMG, Paulo Christo, também cita os tratamentos farmacológicos, que são prescritos em determinados períodos para diminuir as chances de novas dores, assim como a frequência e intensidade dessas dores. “Muitos pacientes acabam se automedicando, mas as dores de cabeça podem ser sintomas também de outras doenças. Por isso, o mais indicado é que procurem um especialista”, salienta.

    Como saber se a minha dor é enxaqueca?

    A enxaqueca tem a dor de cabeça, ou cefaleia, como principal sintoma. No entanto, a cefaleia também é sintoma de várias outras doenças. Por isso, é difícil o paciente identificar o quadro sem procurar um médico. Mas alguns sinais são alertas para doença, como dor latejante e pulsátil, que geralmente predomina em um lado da cabeça, dificultando as atividades rotineiras. “Quando a dor de cabeça repete com muita frequência, aumenta a intensidade no decorrer do tempo, fica não responsiva a analgésicos, é bom fazer uma consulta com um especialista”, orienta o professor Paulo Christo.

    Segundo ele, existem também outros sintomas que fazem parte da vida de uma pessoa que tem enxaqueca: “além da dor, existem outras características que dão o diagnóstico: enjôo; vômito; piora da dor com a claridade, barulho, movimentação da cabeça; dor que continua com o decorrer do tempo”. O professor completa que o paciente fica querendo um lugar escuro e mais quieto.

    Procure um médico

    Se a pessoa se identificar com alguns ou todos esses sintomas, é recomendado que ela procure um neurologista o mais rápido possível para que se inicie o tratamento.

    O programa de rádio Saúde com Ciência desta semana é dedicado às dores de cabeça, causas e  tipos mais comuns. Não deixe de acompanhar!

    Sobre o programa de rádio

    O Saúde com Ciência é produzido pelo Centro de Comunicação Social da Faculdade de Medicina da UFMG e tem a proposta de informar e tirar dúvidas da população sobre temas da saúde. Ouça na Rádio UFMG Educativa (104,5 FM) de segunda a sexta-feira, às 5h, 8h e 18h. Também é possível ouvir o programa pelo serviço de streaming Spotify.