Faculdade de Medicina

Universidade Federal de Minas Gerais


Micose: manchas do verão


Publicado em: Notícias - 4 de janeiro de 2012

Doença de pele é bastante comum durante períodos quentes e úmidos, e é caracterizada por alterações na pele.

Dias de sol, calor, praia ou piscina são capazes de propiciar um belo bronzeado à pele, mas também podem trazer uma aparência nada agradável para a região cutânea: o aparecimento das micoses. Causadas por fungos, que se desenvolvem em ambientes quentes e úmidos, esse tipo de infecção costuma ser bastante comum no verão, mas pode ser evitado e tratado.

Claudemir Roberto Aguilar, dermatologista e professor do departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da UFMG, explica que as micoses acometem três partes do corpo: pele, unha, cabelo. Na pele, a forma mais recorrente ocorre com o surgimento de manchas brancas no tronco, rosto e pescoço, sendo chamada, popularmente, de “pano branco”. Manchas vermelhas, que coçam e são acompanhadas de descamação, também são manifestações típicas de outro tipo de micose. “Dobras da virilha e planta dos pés são áreas bem afetadas”, esclarece o médico.

Na unha, a micose se apresenta com uma cor amarelada, podendo provocar descolamento. Quando atinge o couro cabeludo, é caracterizada pela queda localizada de fios de cabelo. “Nesse caso, é mais comum atingir crianças e adolescentes”, afirma Claudemir Aguilar.

Prevenção

Nem sempre é possível evitar o surgimento das desagradáveis micoses, mas é possível tomar algumas atitudes preventivas para afastar a reprodução de fungos na pele, cabelo e unhas.

“De modo geral, temos que facilitar a transpiração da pele”, recomenda o professor, que sugere manter a pele seca e o uso de roupas leves durante o verão, principalmente. Para os pés, deve-se evitar o uso prolongado de sapatos fechados. Quando isso não é possível, dar preferência para as meias de algodão.

Também é importante evitar o compartilhamento de roupas e calçados, assim como locais com muita gente. “Saunas e banheiros utilizados por muitas pessoas são ambientes propícios para o desenvolvimento de micoses”, alerta Claudemir Aguilar.

A doença também pode ser transmitida com o contato pessoal ou em um ambiente em que estiveram indivíduos infectados. “A pessoa libera o fungo numa área e, posteriormente, um terceiro entra em contato com aquele local contaminado”.

Tratamento

O incômodo cutâneo e as coceiras, em alguns casos, são os sintomas mais típicos das micoses, que não costumam evoluir para outros danos ao corpo. No entanto, é indispensável procurar um médico para avaliar o problema.

“Somente um dermatologista pode fazer um diagnóstico. Às vezes, há uma aparência de micose, mas pode ser algum processo alérgico”, explica o dermatologista. O tratamento consiste no uso de pomadas ou medicamentos orais.

    Contador de visitas: 407 visualizações

    Veja também: