Acesso interno

IEAT abre chamadas para apoiar grupos de pesquisa e receber catedráticos e residentes


05 de fevereiro de 2019


Fomento a reflexões transdisciplinares sobre temas de impacto social é prioridade do órgão, que completa 20 anos em 2019

O Instituto de Estudos Avançados Transdisciplinares (IEAT) da UFMG está com chamadas abertas para a indicação de catedráticos e professores residentes e para apoiar grupos de pesquisa que desenvolvam trabalhos de impacto social numa perspectiva transdisciplinar. Leia a seguir os detalhes de cada edital:

Cátedras
Com chamada aberta até 29 de março, o Programa tem o intuito de promover e fortalecer a colaboração entre pesquisadores da UFMG e de universidades do exterior no avanço de estudos de natureza transdisciplinar, favorecendo o diálogo entre diferentes áreas do conhecimento.

Os pesquisadores sugeridos devem ser reconhecidos internacionalmente nas áreas em que realizam seus estudos e ter comprovada senioridade. Além disso, o indicado deve desenvolver seus trabalhos sob a perspectiva transdisciplinar.

A atuação do catedrático se estenderá do segundo semestre deste ano ao primeiro de 2020. Candidatos que já tenham desfrutado da cátedra anteriormente poderão ser novamente indicados.

São duas modalidades de cátedra ofertadas: visitante e residente. A primeira contempla a permanência de pesquisadores de sete a 19 dias, com limite de pagamento de até dez diárias. A segunda permite ao catedrático a permanência de 20 a 60 dias, com pagamento de até 35 diárias. Nesta última modalidade, os seniores devem ter como requisito o desenvolvimento de pesquisas em colaboração com professores residentes do IEAT ou com grupos de pesquisa da UFMG.

Para solicitar a indicação, o requerente deve ser docente da UFMG com título de doutor, atestar o desenvolvimento de pesquisas na área indicada e ter atuação em campo de trabalho com potencial transdisciplinar. Durante a estada, o docente ou o grupo de pesquisa deverá zelar pela participação do catedrático nos compromissos firmados e pela sua recepção e assistência.


O psicanalista François Sauvagnat (à direita) participou do Programa Cátedras em 2018
Foto: IEAT / UFMG

Para efetivar a inscrição, deverão ser enviados os documentos, conforme o item 5 do edital, para editais@ieat.ufmg.br, com a seguinte indicação no campo assunto: Candidatura Cátedra Fundep 2/2018 – “nome do indicado”. O resultado será divulgado em 3 de junho. Mais informações podem ser enocntradas no edital e na página do IEAT.

Professor residente
Docentes, eméritos ou aposentados que desenvolvem atividades como voluntários na Universidade têm até 11 de março para se candidatarem a uma das seis vagas ofertadas pelo Programa Professor Residente. 

Os candidatos deverão apresentar projetos de pesquisa nas áreas de Humanidades, Letras e Artes; Ciências da Vida e Ciências da Natureza e Tecnologias. Dois professores poderão submeter proposta conjuntamente, mas devem estar explicitados no projeto as atividades e deveres de cada proponente.

Terão preferência na seleção autores de projetos que promovam novas interações de grupos de pesquisa ou entre redes já existentes, além da articulação de pesquisa, ensino e extensão.

Os aprovados receberão apoio logístico para a realização dos seus estudos e, conforme a viabilidade orçamentária, contarão com auxílio financeiro para desenvolvimento dos trabalhos e participação em eventos previstos nos projetos. Cabe ao professor selecionado comparecer aos eventos promovidos pelo IEAT, desenvolver produção intelectual, ofertar disciplinas na modalidade Formação Livre e cumprir os demais deveres expressos no artigo 7º do edital de seleção.

A residência vai durar um ano. Informações estão disponíveis no portal do IEAT e no edital.

Grupos de pesquisa
Até 5 de abril, estarão abertas as inscrições para o Programa Grupos de Pesquisa do IEAT. O objetivo é oferecer apoio a equipes já existentes ou que venham a se formar em torno da proposição de pesquisas transdisciplinares sobre questões de impacto social.

Os grupos interessados deverão enviar o projeto e currículos dos integrantes, preferencialmente preenchidos no modelo Lattes, para editais@ieat.ufmg.br, até a data de encerramento das candidaturas.

Os projetos deverão descrever os aspectos metodológicos da pesquisa, cronograma, orçamento e metas. Os grupos selecionados terão apoio por dois anos, com renovação possível por mais 12 meses. A cada ano deverá ser apresentado o relatório parcial de atividades.

O coordenador e o subcoordenador do projeto deverão ser pesquisadores com reconhecida experiência científica e vínculo permanente com a UFMG. Como requisito, o grupo deverá abrigar participantes de ao menos duas das grandes áreas de ensino: Humanidades, Letras e Artes; Ciências da Vida (incluindo Saúde) e Ciências da Natureza (incluindo Tecnologia). Também poderão participar professores de outras instituições.

A seleção, que será realizada pelo Comitê Diretor do IEAT, com auxílio de consultores ad hoc, levará em conta potencial transdisciplinar e avançado da proposta, sua vinculação com questões atuais e perspectiva de impactos sociais. O resultado será divulgado em 17 de junho.

Mas informações estão na página do IEAT e no edital.

IEAT, 20 anos
Em 2019, o Instituto de Estudos Avançados Transdisciplinares (IEAT) completa 20 anos. O órgão é resultado do esforço da UFMG em articular iniciativas transdisciplinares, ou seja, na confluência das grandes áreas do conhecimento.

“Inúmeros projetos surgiram das reuniões dos residentes. Estudiosos com visões e leituras completamente distintas desenvolveram trabalhos de alta qualidade. Também conseguimos auxiliar grupos a pleitear apoio às agências de fomento e projetar nossas pesquisas para a comunidade interna e externa”, resume o professor Estevam Las Casas, diretor do órgão, que nasceu em 1999 e foi institucionalizado em 2015.

Las Casas também enfatiza o papel que o IEAT vem desempenhando para fomentar estudos e reflexões sobre temas de interesse social. “Esse é o objetivo que atravessa desde as propostas de estada dos catedráticos até os trabalhos desenvolvidos pelos residentes e grupos pesquisa”, afirma o diretor.

(Com Centro de Comunicação da UFMG – Cedecom)