Notícias Externas

Fórum discute melhorias da educação médica


Publicado em: ExternasGraduação - 24 de fevereiro de 2015

Professores participam de atividades em grupo e discutem opiniões.

Professores participam de atividades em grupo e discutem opiniões. Foto: Bruna Carvalho

As atividades do “Fórum de ensino médico”, realizado pelo Colegiado do curso de Medicina e do Núcleo Docente da Faculdade de Medicina da UFMG, tiveram início na manhã desta terça-feira, 24 de fevereiro. Voltada para os professores do curso, principalmente os que trabalham há pouco tempo na instituição, a “Oficina de capacitação docente: formação médica e avaliação” discutiu assuntos como a realidade do curso e a integração das disciplinas pedagógicas.

“A UFMG é uma escola pública e conta com 320 vagas para o curso médico, maior escola do Brasil hoje. Agora que estamos fazendo essa ligação com o currículo novo, faz-se necessário discutir temas importantes para o ensino”, explicou o diretor da Faculdade, professor Tarcizo Afonso Nunes, em recepção aos docentes, ao lado da coordenadora do Colegiado, professora Alamanda Kfoury.

Apresentações
A diretora de Avaliação Institucional da UFMG e professora do Departamento de Pediatria da Faculdade, Cristina Alvim, apresentou a palestra “Avaliação dos cursos de Medicina (Sinaes/Enade)”.

O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) avalia as instituições, os cursos e o desempenho dos estudantes e conta com uma série de instrumentos complementares, como a aplicação do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade). No exame realizado em 2013, o curso de Medicina obteve média igual a 4 em um total de 5. Cristina Alvim aproveitou a oportunidade para explicar os critérios e parâmetros de avaliação utilizados nas notas do Enade, do Índice Geral de Cursos (IGC) e do Conceito Preliminar de Curso (CPC). Segundo ela, o IGC, por exemplo, avalia a Universidade; e o CPC avalia o desempenho dos estudantes, o corpo docente e a percepção discente sobre condições do processo formativo.

Com os resultados, é possível fazer uma avaliação do que precisa ser aprimorado. “É feito um retrato da nossa instituição. Será que esse retrato reflete de fato o que nós somos? Eu acho que o foco deve ser o processo de auto-avaliação. Não é dizer se está certo ou errado, mas dizer o que a gente pode fazer pra identificar os nossos pontos fortes e os nossos pontos fracos”, avaliou Cristina Alvim.

A coordenadora do Núcleo de Educação da Faculdade e professora do Departamento de Medicina Preventiva e Social, Eliane Dias Gontijo, apresentou o tema “Formação médica na contemporaneidade”, destacando o perfil do formando de medicina e as competências essenciais para estes estudantes, como atenção integral ao indivíduo, profissionalismo, relações interpessoais, conhecimento e gestão.

A palestra “Como os estudantes aprendem? Contribuições da neurociência”, foi ministrada pela professora convidada Leonor Guerra, do Instituto de Ciências Biológicas da UFMG.

Construção coletiva
Durante a manhã os professores participaram de duas atividades em grupos, debatendo, coletivamente, as características essenciais de um docente, comuns às diversas áreas e refletindo sobre experiências compartilhadas em sala de aula.As atividades continuam ao longo da tarde desta terça-feira e durante amanhã, 25 de fevereiro.

Leia também:
Relação professor e aluno no ensino de Medicina em foco
Respeito deve permear relação professor-aluno-paciente
Medicina do ensino para a prática

    Contador de visitas: 1.023 visualizações

    Veja também: