Este dia 6 de junho pode passar despercebido para muita gente. Mas certamente 3.731 pessoas espalhadas pelo território de Minas Gerais irão se lembrar do Dia Nacional do Teste do Pezinho, exame que possibilita o diagnóstico precoce de hipotireoidismo congênito, fenilcetonúria, doença falciforme e fibrose cística. Em todo o estado, os portadores dessas doenças são acompanhados pelo Núcleo de Ações e Pesquisa em Apoio Diagnóstico da Faculdade de Medicina da UFMG (Nupad). Graças ao diagnóstico prematuro, os sintomas podem ser amenizados e muitos dos mais de 3 mil pacientes levam uma vida normal.

Teste do pezinho é o apelido dado ao exame de triagem neonatal, justamente porque consiste na coleta de uma gota de sangue do calcanhar do neném. Este procedimento é realizado nas unidades de saúde de cada município, sempre no quinto dia de vida da criança, quando também são feitas a pesagem, medição e aplicação da vacina BCG. O Dia Nacional do Teste do Pezinho foi instituído pelo Governo Federal e é comemorado desde 2008. A data busca reforçar a necessidade do exame para todos os recém-nascidos e estimular a conscientização da população brasileira para a importância do diagnóstico precoce e do trabalho de acompanhamento dos bebês enfermos.

Marcos Borato Viana, professor da Faculdade de Medicina e coordenador acadêmico do Nupad, explica que o hipotireoidismo congênito e a fenilcetonúria, na ausência do tratamento, têm como consequência o retardo mental. A fibrose cística, por sua vez, causa danos ao pulmão e pode levar à morte por insuficiência antes dos 10 anos. Já a doença falciforme, se o início do tratamento for tardio, também tem consequências sérias. Daí a importância do diagnóstico precoce. “O Nupad atende a todos os municípios de Minas Gerais e é responsável por analisar o sangue coletado na triagem neonatal. São cerca de 23 mil bebês por mês”, ressalta Marcos Borato. O resultado laboratorial sai em dois dias.

Laboratório de Triagem Neonatal do Nupad

Qualidade e pioneirismo
De acordo com Marcos Borato, o Nupad utiliza as técnicas mais recomendadas sob o ponto de vista da literatura científica moderna e realiza o melhor tipo de exame possível. “É o segundo maior programa do mundo, atrás apenas de um estado americano, mas ambos se equiparam em termos de qualidade”, diz o professor, ressaltando a importância de não apenas diagnosticar, mas também de acompanhar o tratamento dos pacientes.

Marcos Borato explica que após a primeira análise laboratorial, caso exista suspeita de doença, o exame deve ser repetido. O segundo teste é agendado pelo próprio Nupad e realizado por seus parceiros. “No caso da anemia falciforme, quem atende é a Hemominas. No Hospital das Clínicas são atendidos os casos suspeitos de hipotireoidismo congênito, fenilcetonúria e fibrose cística, em seus ambulatórios específicos.”, indica.

O Ministério da Saúde implantou o Programa Nacional de Triagem Neonatal em 2001, mas já em 1993 o Nupad realizava exames de hipotireoidismo congênito e fenilcetonúria, o que garantiu o pioneirismo de Minas Gerais. Cinco anos mais tarde, incluiu o diagnóstico de doença falciforme, vinculado à Secretaria de Saúde do Estado. Quando surgiu o programa do Ministério da Saúde, passou a ser financiado por recursos federais.

 

Incidência média das doenças na população de Minas Gerais

(dados de abril de 2011)

Doença falciforme
1 por 1400 recém-nascidos
Hipotireoidismo congênito
1 por 3500 recém-nascidos
Fibrose cística
1 por 9100 recém-nascidos
Fenilcetonúria
1 por 21000 recém-nascidos

 

Quantidade de pacientes assistidos atualmente pelo Nupad

Doença falciforme
2144
Hipotireoidismo congênito
1154
Fenilcetonúria
281
Fibrose cística
152
Total
3731

 

    Contador de visitas: 285 visualizações

    Veja também: