Acesso interno

Salurbal subsidia políticas públicas para espaços urbanos


24 de maio de 2019


Professora da Faculdade de Medicina da UFMG. Waleska Caiaffa. Foto: Carol

As cidades da América Latina apresentam um crescimento acelerado do espaço urbano em relação ao mundo, o que agrava as desigualdades de acesso à saúde e moradia. A partir desse olhar, o Projeto Salud Urbana en América Latina (Salurbal) promoveu o Simpósio “Saúde, habitação e políticas urbanas no Brasil”, no Salão Nobre da Faculdade de Medicina da UFMG. O evento faz parte do 5º Encontro do Projeto Salurbal e 7º Encontro da Rede Latino-Americana de Saúde Urbana (LAC Urban Health), que ocorreu nessa quinta-feira, 23 de maio, e na manhã desta sexta, 24.

O objetivo do evento foi apresentar os dados coletados durante dois anos de pesquisa. A professora da Faculdade de Medicina, Waleska Caiaffa, líder do Observatório de Saúde Urbana (OSU/BH), explicou que o Salurbal está presente no Brasil em quatro sítios de pesquisa, todos trabalhando com multimétodos para compreender os espaços urbanos.

De acordo com a professora, a ideia é que os resultados sejam transformados em informações que subsidiem políticas públicas. “As cidades são muito desiguais do ponto de vista social e da saúde, portanto, há necessidade de inovar e experimentar políticas baseadas no direito à cidade”, afirmou Caiaffa. Outra proposta, é criação de uma plataforma para unir pesquisadores e garantir a aprendizagem e produção contínuas a partir das referências coletadas no projeto.

Homicídios

Em Belo Horizonte, o Salurbal tem feito um estudo comparativo entre os casos de homicídio ocorridos em favelas e no restante da cidade. Segundo a professora Waleska Caiaffa, há evidências no estudo de que as taxas de homicídios das favelas podem ser reduzidas a partir de intervenções estruturantes, isto é, quando são consideradas as percepções dos próprios moradores desses locais quanto às questões das vidas deles. A professora também adiantou que o grupo planeja estudar outros cenários de Belo Horizonte, como a gravidez na adolescência e suas consequências.

Referência

Na abertura do evento, a vice-diretora da Faculdade, Alamanda Kfoury, declarou o orgulho que o projeto representa no cenário de pesquisa sobre saúde no espaço urbano. De acordo com ela, o projeto ilustra bem o que é a universidade pública brasileira. “Toda a UFMG se sente muito orgulhosa com esse projeto. Nós podemos dizer que o Salurbal é o retrato da universidade pública brasileira, pois é um patrimônio do povo brasileiro e é para o esse povo que estamos trabalhando”, afirmou.

Entre os participantes do Simpósio, estavam a doutoranda do Programa de Geografia da PUC Minas, Gabriela Lima Diniz. Ela já integrou o Salurbal por três meses, em 2018, e relatou a importância de debater os temas que, segundo ela, são de grande importância para a sociedade. “Essas temáticas, como saúde, habitação e políticas urbanas, estão interligadas e falam diretamente sobre questões cotidianas que influem na dinâmica urbana”, comentou.

Confira a galeria de imagens:

Fotos: Carol Morena