Faculdade de Medicina

Universidade Federal de Minas Gerais


Notícias Internas

Curso de Medicina em busca da excelência


Publicado em: InstitucionaisInternas - 6 de outubro de 2017

Comissão do Ministério da Educação visitará Faculdade para renovação do reconhecimento do curso de Medicina da UFMG

Foto: Bruna Carvalho

A Faculdade de Medicina da UFMG recebe, de 3 a 6 de dezembro deste ano, uma comissão do Ministério da Educação (MEC) para avaliação do curso de graduação de Medicina.

De acordo com a professora Taciana de Figueiredo Soares, coordenadora do Colegiado do curso, serão avaliadas as condições do ensino, do corpo docente, das instalações físicas, e do projeto pedagógico.

Taciana ressalta que para obter uma avaliação positiva, é fundamental que haja engajamento e participação de toda a comunidade acadêmica, estudantes, professores e servidores, desde já. “Estamos a dois meses da visita, em um momento de reunir evidências, documentos e comprovação da nossa qualidade. É preciso que toda a nossa comunidade se mobilize e faça a sua parte”, convoca.

Segundo a professora, a Diretoria da Faculdade de Medicina já indicou a constituição de uma comissão para a visita, que trabalha agora para atender às metas do planejamento estratégico para a visita. “Antes mesmo de a visita ter sido agendada, já começamos a nos reunir para sensibilização de todo o grupo de trabalhadores da Faculdade, e do Instituto de Ciências Biológicas (ICB), que recebe as aulas do ciclo básico do curso”, conta.

A partir das reuniões e definições, providências já estão sendo tomadas para atender à equipe do Ministério.  “Já estamos recebendo parte dos documentos solicitados. Entretanto, ainda temos muito a buscar. Por isso, é fundamental a participação de todos os membros da comunidade envolvidos com o curso de Medicina”, reforça a coordenadora do Colegiado.

Como ajudar?
Segundo a professora Taciana, no que se refere à compilação das evidências documentais, a mobilização e a resposta dos setores envolvidos têm sido boas. “Estamos no meio do processo. É preciso respeitar os prazos aplicados para a entrega dos documentos à Comissão para não comprometer o andamento dos trabalhos”, enfatiza.

Dessa forma, a professora indica como cada um pode ajudar no trabalho. Os docentes, por exemplo, devem atualizar os currículos Lattes e organizar documentos comprobatórios de titulação e publicações. “Os servidores estão sendo convocados a rever os processos dos seus setores e a organizá-los. Essa tarefa é fundamental para demonstrar que todos nós estamos trabalhando para cumprir o que é determinado no Projeto Pedagógico do Curso (PPC) e nas Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN)”, justifica a professora.

Ela lembra ainda que, na ocasião da visita, os alunos serão consultados pelos avaliadores a opinarem sobre as condições da Faculdade. “Contamos com a participação e o empenho de todos na busca pelo conceito 5”, conclui Taciana.

Saiba mais sobre a avaliação do MEC na entrevista com a professora Taciana Soares:

Professora Taciana: “É preciso que toda a nossa comunidade se mobilize e faça a sua parte”. Foto: arquivo pessoal.

Como funciona a avaliação realizada pelo Ministério da Educação (MEC)?
Taciana Soares –
No âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes), os cursos de graduação passam por três tipos de avaliação em momentos distintos: a autorização, o reconhecimento e a renovação para o reconhecimento do curso. Essa visita é para a renovação do reconhecimento do nosso curso de Medicina. No início do ano, um formulário com informações e dados relativos ao curso de Medicina foi encaminhado ao MEC, numa etapa inicial. Agora, durante a visita, três dimensões serão avaliadas: currículo, corpo docente e infraestrutura. Será gerado um Conceito do Curso (CC), que é calculado pelo sistema e-MEC, com base na média aritmética ponderada dos conceitos das dimensões avaliadas, e estas são resultados da média aritmética simples dos indicadores das respectivas dimensões. Nossa tarefa é demonstrar e comprovar com evidências documentais aquelas informações. É o momento de nós apresentarmos uma fotografia do curso e dos processos a ele relacionados.

Como será realizada a avaliação no dia da visita?
TS –
Os avaliadores terão uma agenda apertada, em dois dias de trabalho contínuo na verificação dos documentos, na visita a determinados setores e na entrevista com os três segmentos da escola, ou seja, o corpo docente, o aluno e o servidor. O Colegiado do curso de Medicina e o Núcleo Docente Estruturante (NDE) ficarão de plantão durante o período para atender às demandas da Comissão.

Para que serve essa avaliação?
TS –
As informações obtidas são utilizadas para orientação institucional dos estabelecimentos de ensino superior, bem como para embasar políticas públicas, sendo úteis para a sociedade como referência quanto às condições de cursos e das instituições de ensino.

Por que é importante uma avaliação positiva?
TS –
Ser bem avaliada é um passo para o reconhecimento como uma instituição sólida, que oferece um curso validado, que se torna o anseio do estudante na busca pela graduação e pelo sucesso no futuro. É a garantia da validação da sua profissão e a certeza de que poderá exercê-la plenamente. Para a Instituição, o reconhecimento da excelência nos ajuda a nos conhecer melhor e a continuar a trabalhar para manter tais índices de excelência. Por outro lado, um curso mal avaliado fica irregular e o MEC pode aplicar medidas cautelares diante dessa situação. Avaliações ruins recaem também sobre o estudante que pode ter problemas com o registro do seu diploma.

Qual o caminho para atingir um bom resultado?
TS –
Considero que a nossa Faculdade está no nível exigido para uma instituição de ensino que recebe a nota máxima na avaliação do MEC, o nível 5. Historicamente, estamos na vanguarda de variadas ações para a melhoria da qualidade do ensino e na busca pela formação do médico que o nosso país deseja, haja vista nosso protagonismo na atuação na atenção primária no nível da região metropolitana de Belo Horizonte e no interior, através dos convênios do Internato Rural. Ao lado do ajuste da carga horária e dos Estágios Curriculares, aquelas ações foram reforçadas com a Reforma Curricular do curso, em 2014, sempre com o norte nas diretrizes nacionais propostas pelo MEC. Agora, precisamos é demonstrar e comprovar tudo isso, da melhor forma possível e, como sempre, trabalhando com seriedade, capricho, organização e muito empenho.

    Contador de visitas: 1.078 visualizações

    Veja também: