Notícias Externas

Cravos e espinhas: conheça tratamentos da acne


Publicado em: ExternasRádio - 14 de maio de 2018

Acne e outras infecções na pele são causadas, em geral, por bactérias, fungos ou vírus

Nathalia Braz*

A acne é o nome dado a cravos e espinhas que surgem devido a um processo inflamatório que se manifesta na pele. Uma das principais infecções bacterianas na adolescência, mas que pode persistir na fase adulta, ela é causada, em geral, por fatores genéticos e as áreas do corpo mais atingidas são o rosto, peito e dorso. Os tratamentos variam de acordo com o grau de acne, mas o mais importante em qualquer fase é não manipular ou cutucar as lesões para evitar manchas ou cicatrizes posteriores.

O dermatologista e professor aposentado da Faculdade de Medicina da UFMG, Antônio Guedes, afirma: “Existem os medicamentos adequados para uso, sem ser necessário ficar espremendo. Têm produtos tópicos, produtos de uso local que dão um bom resultado para ajudar a secar. Se você espremer, está correndo o risco de deixar mancha ou cicatriz, esse que é o problema”. Esses medicamentos tópicos são chamados de retinoides.

A acne causa inflamações e formações subsequente de pápulas, que são os pontos avermelhados; pústulas, os pontos amarelados; nódulos, que são as lesões; e os comedões, mais conhecidos como cravos. Guedes acrescenta que, ao espremer a espinha, ela pode “arrebentar” para dentro e não para fora, transformando-se em um cisto. Ele recomenda a limpeza de pele, desde que seja feita por um especialista com boa experiência na área, porque há o risco de machucar a região.

Foto: Carol Morena

Casos clínicos

O tratamento da acne difere de acordo com o caso clínico apresentado. Para a acne grau 1, recomenda-se medicamentos de uso local que têm como objetivo o ressecamento da pele. Na acne grau 2, que tem algumas pústulas, além dos medicamentos nos locais afetados, pode ser indicado o uso da tetraciclina, antibiótico que deve ser usado a longo prazo, com poucos efeitos colaterais e resultado adequado.

Na acne grau 3 e grau 4, pode ser usada também a isotretinoína, popularmente conhecida como Roacutan. A indicação é precisa para casos mais complexos e agressivos, já que seus efeitos colaterais podem ser mais importantes, dentre eles perda óssea, problemas hepáticos, alterações no triglicerídeo e colesterol ou mesmo o surgimento de miosite, que causa inflamação muscular. A mulher em período fértil deve conciliar o uso do anticoncepcional e outros métodos contraceptivos com a isotretinoína, já que há risco de malformação do feto caso ela engravide.

Para uso desse medicamento, Antônio Guedes ressalta: “Deve ser acompanhado por um médico, com exames prévios e após 30 ou 40 dias para verificar possíveis alterações. Se necessário, continuar fazendo para ver se não alterará nenhum desses exames laboratoriais. Caso altere, o medicamento deve ser suspenso”. O acompanhamento do especialista juntamente com os exames de laboratório é fundamental para a melhora do quadro.

Sobre o programa de rádio

Saúde com Ciência é produzido pelo Centro de Comunicação Social da Faculdade de Medicina da UFMG e tem a proposta de informar e tirar dúvidas da população sobre temas da saúde. Ouça na Rádio UFMG Educativa (104,5 FM) de segunda a sexta-feira, às 5h, 8h e 18h.

O programa também é veiculado em outras 187 emissoras de rádio, distribuídas por todas as macrorregiões de Minas Gerais e nos seguintes estados: Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe, Tocantins e Massachusetts, nos Estados Unidos.

*Redação: Nathalia Braz – estagiária de Jornalismo

Edição: Lucas Rodrigues

    Contador de visitas: 1.234 visualizações

    Veja também: