Acesso interno

Congresso de Pediatria cria prêmio em homenagem a professor


05 de julho de 2018


Professor Emérito da UFMG, Ennio Leão formou-se em 1955, na instituição.

Ennio Leão: “A pediatria me escolheu”. Foto: Bruna Carvalho

O professor aposentado do Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina da UFMG, e Emérito da UFMG, Ennio Leão, foi homenageado no XV Congresso Mineiro de Pediatria, ocorrido em junho. Os melhores trabalhos apresentados como tema livre foram agraciados com o primeiro “Prêmio Ennio Leão”, que leva o nome do professor, e que passará a ser oferecido nas edições seguintes do evento.

O professor recebeu em sua casa um convite formal para participar do evento, além de uma flor talhada em pedra representando o florescer. Para Ennio foi uma “emoção muito grande” ter sido lembrado dessa forma. “Assim tenho conhecimento de que fiz algo pela pediatria”, afirma.

Segundo a chefe do Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina da UFMG, professora Maria do Carmo Barros de Melo, a flor representa a importância da especialidade. “O pediatra tem essa missão de cuidar da semente que se tornará um adulto, de participar desse florescer saudável” acredita. Para ela, o prêmio é uma forma de homenageá-lo em vida, para que ele possa saber sua relevância para a medicina, em especial para a pediatria.

Para Ennio, é importante não se esquecer da parte humana da Medicina, porque as pessoas não tem tido tempo para ouvir umas as outras. “Meu recado é que os médicos continuem ouvindo, conversando, curando e, quando não for possível curar, que possam pelo menos aliviar as dores. Que os pacientes sintam que ali está uma pessoa que realmente quer ajudar”, finaliza.

Trajetória
“Foi a pediatria que entrou na minha vida”, conta o professor, que queria ser clínico. Formado na UFMG em 1955, o professor iniciou a carreira trabalhando com gastroenterologia e dermatologia, antes da residência em peditria. “Depois disso eu entusiasmei e continuei trabalhando com crianças”, lembra.

O professor foi o primeiro a receber a Medalha Cícero Ferreira, que homenageia profissionais que se destacam pela dedicação e contribuição à Unidade. Em sua trajetória, teve participação ativa na clínica pediátrica, com destaque para a hidratação venosa em resposta à perda de líquido causada, principalmente, pela diarreia aguda, além de ter participado da divulgação da terapia de reidratação oral em Minas Gerais. Defendeu um diagnóstico diferenciado para a icterícia neonatal e foi estudioso das doenças nutricionais, especialmente da desnutrição, do raquitismo e do escorbuto. Mostrou a possibilidade do tratamento ambulatorial da desnutrição, numa época em que o diagnóstico da doença implicava no tratamento hospitalar.