Faculdade de Medicina

Universidade Federal de Minas Gerais


Notícias Externas

Compulsão por trabalho traz prejuízos sociais e de saúde


Publicado em: ExternasRádio - 25 de Janeiro de 2016

Saúde com Ciência apresenta série sobre esse e outros tipos de compulsão, casos de bulimia, oniomania e vigorexia

ImpressãoUma notificação no celular avisa a chegada de um e-mail do trabalho. A mensagem solicita um relatório para o dia seguinte. Você está em casa, mas sente uma necessidade incontrolável de atender à demanda e começa a produzir o material imediatamente. Fique ligado! Atitudes como esta podem indicar que você é workaholic.

“O termo vem do inglês work, que significa trabalho, e alcoholic, ligado à dependência”, afirma a psiquiatra e professora da Faculdade de Medicina da UFMG, Tatiana Mourão. Segundo ela, o comportamento não é considerado, exatamente, uma doença psiquiátrica. Com mais de cinquenta horas por semana dedicadas à profissão, o workaholic sente prazer durante o expediente e sensações de culpa e tristeza quando não está trabalhando.

Os primeiros sinais da compulsão são os problemas familiares, uma vez que o relacionamento com família e amigos vai ficando comprometido. Logo, também surgem prejuízos à saúde. “Há os problemas físicos, porque não existe tempo ou vontade de se realizar atividades físicas, e podem acontecer abusos de álcool ou tranquilizantes para a pessoa relaxar no fim do dia”, destaca Tatiana.

Ilustração: Juliana Guimarães

Ilustração: Juliana Guimarães

O workaholic não costuma perceber que está exagerando no trabalho. Por isso, a psiquiatra lembra a necessidade do apoio familiar para que ele se identifique como compulsivo e procure ajuda médica. Para ela, gostar da profissão e do ambiente de trabalho é fundamental para o sucesso pessoal e profissional, tanto quanto manter vínculos familiares e buscar prazer nos momentos de lazer.

“O tratamento dessa compulsão é baseado na psicoterapia, em que paciente e médico desenvolvem metas para uma vida mais equilibrada. O objetivo é mostrar ao workaholic que ele não deve sentir culpa no lazer ou descanso”, acrescenta a especialista. O uso de remédios só é indicado caso o indivíduo apresente algum transtorno de ansiedade ou humor, como a depressão, situação frequente entre as pessoas com quadros de workaholismo.

Sobre o programa de rádio

O Saúde com Ciência apresenta a série “Compulsões” entre os dias 25 e 29 de janeiro de 2016. O programa, produzido pela Assessoria de Comunicação Social da Faculdade de Medicina da UFMG, tem a proposta de informar e tirar dúvidas da população sobre temas da saúde. Ouça na Rádio UFMG Educativa (104,5 FM) de segunda a sexta-feira, às 5h, 8h e 18h.

Ele também é veiculado em outras 174 emissoras de rádio, distribuídas em todas as macrorregiões de Minas Gerais e nos seguintes estados: Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe, Tocantins e Massachusetts, nos Estados Unidos.

    Contador de visitas: 1.048 visualizações

    Veja também: