Faculdade de Medicina

Universidade Federal de Minas Gerais


Atenção Primária atrai profissionais


Publicado em: Notícias - 14 de novembro de 2008

Atenção Primária à Saúde. Este foi o tema debatido hoje à tarde, com foco no Sistema Único de Saúde (SUS) e na Saúde Suplementar, em mesa redonda com audiência lotada, dentro da programação do Congresso Nacional de Saúde da Faculdade de Medicina.

Os debatedores: o secretário municipal de Saúde de Belo Horizonte, Helvécio Miranda Magalhães, o diretor da Agência Nacional de Saúde Suplementar, Fausto Pereira dos Santos, a pesquisadora do Núcleo de Educação em Saúde Coletiva (Nescon) da Faculdade de Medicina da UFMG, Maria Rizoneide Negreiros, além do coordenador em exercício do Nescon, professor Edison Corrêa.

Helvécio ressaltou que apesar dos sucessos do SUS ainda há grandes desafios a enfrentar na Atenção Primária.  Levantamento feito pela Secretaria Municipal de Saúde revelou que há  problemas em se fixar especialmente os profissionais médicos nas equipes de saúde da família.

Os dados mostraram que nos últimos seis anos da gestão municipal, 1700 médicos entraram e 1200 saíram, ou seja, entram 17 por mês para atuar nas equipes e saem 12. Segundo Magalhães a dificuldade nem sempre passa por questões salariais.

“Percebemos que a primeira questão de não fixação desses profissionais é a inadequação do que o profissional  acha da sua formação para a saúde da família, fenômeno que estamos vendo também nas urgências, ou seja se o aparato de graduação e pós-graduação não forma médicos para atuar na saúde da família e na urgência ela esta formando para quê?  para reproduzir um sistema que está entrando em decadência que é o “super especialista’, o imaginário da medicina liberal mediada pelo mercado”, ressaltou o secretario.

Ele acrescentou ainda que tal rotatividade, dificulta o sucesso das ações de Atenção Primária “não é possível manter uma relação que pressupõe confiança, estabilidade com essa alta rotatividade dos médicos nas equipes”.

O levantamento demonstrou ainda que a capital mineira possui indicadores desiguais de condições de vida e saúde. Com uma população de 2.424.295, há indicadores próximos de cidades da região do Vale do Jequitinhonha e outros próximos da população da Suíça.

“Dentro da própria cidade há comportamento populacional diferenciado e isso faz com que estejamos preparados para agir na Atenção Primária de maneira diferenciada”, explicou Magalhães.

Dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) apresentados na discussão, revelaram que o Brasil conta hoje com mais de 50 milhões de contratos firmados com operadoras de planos de saúde.

Cidadania

Para o diretor da ANS, Fausto Pereira dos Santos “apesar de as discussões de atenção a saúde representarem uma dimensão prioritária do processo da regulação, no Brasil o setor privado está num momento anterior ao processo de discussão que no SUS já vem sendo implementado sobre o assunto”.

Apesar disso, Fausto acredita que um passo importante é que a importância da Atenção Primária agora já é pauta obrigatória de discussão das agências de saúde suplementar.

A debatedora Maria Rizoneide Negreiros apresentou um panorama geral do SUS. Ela também defendeu que, “apesar de a Constituição Federal estipular que saúde seja um direito de todos e dever do estado, fica impossível atender a esses princípios se não tivermos políticas públicas e econômicas que garantam esse direito”. Ela chamou os cidadãos a serem parceiros no cuidado de sua saúde.

“O SUS controla água, controla a qualidade da alimentação, controla a questão dos fármacos, mas o SUS precisa de cada um de nós para fazer a co-gestão. Devemos ser co-responsáveis pela nossa saúde e entender o SUS como parceiro. E não exigir que ele faça por nós aquilo que nós não fazemos. Não adianta um médico prescrever para um paciente fazer dieta e caminhadas, se ele próprio não faz. O cidadão tem que assumir que ele também tem de se auto-cuidar”, alertou.

O 1º Congresso de Promoção da Saúde vai até amanhã e a programação contará ainda com discussões sobre o bem-estar da criança e do adolescente, hábitos alimentares e doenças do futuro e formação de recursos humanos para a saúde entre outros temas. Confira.

Leia mais
(Congresso)
Atenção Primária atrai profissionais – 14/11/08
Empresas mostram que é possível promover a saúde
– 14/11/08
Promoção da saúde da criança
– 14/11/08
Seminário de Humanização discute política pública
– 14/11/08
Hábitos modernos exigem nova abordagem de saúde
– 14/11/08
Muito além da assistência direta à saúde
– 14/11/08
Saúde Brasil 2007: dados e promoção da saúde
– 14/11/08
Quatro pôsteres selecionados
– 14/11/08
Mídia, Comunicação e Saúde
– 14/11/08
Lançamento de livros durante o Congresso – 13/11/08
Júlio Anselmo: Vinho e saúde
– 13/11/08
Entrevista: Assessor da OPAS incentiva redes sociais
13/11/08
Tecnologia e ensino em saúde
13/11/08
Crise, Ética e Saúde
13/11/08
Promoção da saúde pede reformulação de paradigmas
13/11/08
Nescon lança publicação e marca seus 25 anos
12/11/08
Congresso Nacional de Saúde começa hoje
12/11/08
Livro traz fotos de professores em viagem ao sertão – 11/11/08
Faculdade muda funcionamento para congresso
– 10/11/08

Redação e foto: Zirlene Lemos – Jornalista

    Contador de visitas: 581 visualizações

    Veja também: