Acesso interno

13º Festival de Verão UFMG promove maratona de cenas curtas e performances


06 de fevereiro de 2019


Com um olhar apurado para as produções de teatro contemporâneas, o 13º Festival de Verão UFMG vai apresentar uma série de cenas curtas e performances gratuitas ao público nos dias 11, 12 e 13 de fevereiro. Todas as apresentações teatrais, com duração entre 20 e 30 minutos, acontecem no Centro Cultural UFMG (Avenida Santos Dumont, 174, Centro). Não é necessária a retirada antecipada de ingressos, mas os espaços estão sujeitos à lotação.

O 13º Festival de Verão da UFMG, com o tema Desaplanando Horizontes, acontece de 11 a 14 de fevereiro no Centro Cultural UFMG, no Espaço do Conhecimento da UFMG e no Conservatório da UFMG, localizados na região centro-sul de Belo Horizonte. Além dos três espaços, haverá atividades ao ar livre no bairro Lagoinha, Praça da Liberdade e Viaduto Santa Tereza. As inscrições vão até 10 de fevereiro para 13 oficinas educacionais e artísticas pelo site do Festival. Nos dias 11 e 12 de fevereiro, caso ainda haja vagas, interessados poderão se inscrever presencialmente na secretaria do Festival, situada no Conservatório da UFMG. Todas as oficinas serão oferecidas a preços populares, entre R$ 10 e R$ 30, e são abertas ao público.

Segundo Denise Pedron, coordenadora do 13º Festival de Verão UFMG, a apresentação das cenas curtas faz parte de um projeto de imersão teatral para o público. “Para este ano, a ideia das cenas curtas foi criar uma sequência de apresentações que não são convencionais. Não são peças de teatro, simplesmente. São montagens que tangenciam a performance, apresentações com variações de criação e que abordam temáticas importantes para a sociedade, como a cultura transformista, a luta das mulheres e da ocupação dos espaços públicos”, analisa Denise.

Abertura
Com forte caráter performático, a abertura do Festival de Verão UFMG ficará a cargo da apresentação da obra Suíte Capoeira, apresentada no dia 11, às 19h, no Centro Cultural UFMG. A composição de Rafael Calaça, que desde 2012 passa por uma série de experimentações entre o erudito e o popular, leva ao palco um octeto de percussão, um quinteto de cordas e um quarteto de sopros que vão interagir com a ginga de dezenas de capoeiristas. Após a apresentação, Márcio de Azansú vai preparar um banquete gratuito ao público, à base de canjica e camarão.

Cenas curtas
No dia 12 de fevereiro, a partir das 19h30, quem abre a temporada de espetáculos é o ator e transformista José Alberto In Concert, com direção de Fabrício Trindade. Com 39 anos de carreira, ele apresenta a cena curta Para Rocío Jurado, um cruzamento de suas memórias afetivas com o cenário LGBT de Belo Horizonte. José Alberto é considerado um ícone da cultura transformista da capital mineira, onde e a encenação no Festival de Verão UFMG será o primeiro registro de sua carreira.

“O que estrutura essa cena curta é o trânsito entre este ator que ainda faz shows e apresentações e que viveu uma época onde não se tem memória da cultura LGBT em Belo Horizonte. Ao mesmo tempo, a cena também é uma homenagem às grandes divas cantoras e transformistas da noite”, diz o diretor Fabrício Trindade.

Logo depois, às 20h, o Grupo de Teatro Mulheres de Luta, formado por moradoras da Ocupação Maria Carolina de Jesus, apresenta a cena-performance Todas as vozes, todas elas. Com direção de Cristina Tolentino e dramaturgia coletiva, a montagem faz uma crítica contundente à violência patriarcal e chama a atenção para o protagonismo do ser mulher. Uma a uma, as atrizes dão voz a situações cotidianas de opressão. Ao final da cena, o público é convidado para um bate-papo com as atuantes e suas experiências de fazer parte de uma moradia coletiva.

Fechando a programação de cenas curtas, no dia 13, a partir das 18h, o espetáculo Assembleia Comum propõe uma reflexão interativa sobre a ocupação e ressignificação de espaços públicos. Encenada por 16 membros da Trupe Estrela do Espaço Comum Luiz Estrela, a peça promove uma espécie de jogo cênico, com participação do público, para refletir sobre questões latentes aos tempos modernos, como a intolerância e o ódio.

Serviço:
13º Festival de Verão UFMG – 11 a 14/02
Informações: www.ufmg.br/festivaldeverao

Programação de cenas curtas e performances
Solenidade de abertura – Concerto Suíte Capoeira + Banquete O Ajéum que nos une
12 de fevereiro, 19h

Cena teatral Para Rocío Jurado
12 de fevereiro, 19h30
Cena teatral Todas as vozes, todas elas – Grupo de Teatro Mulheres de Luta da Ocupação Carolina Maria de Jesus
12 de fevereiro, 20h

Cena teatral Assembleia Comum – Trupe Estrela do Espaço Comum Luiz Estrela 13 de fevereiro, 18h

Redação: Assessoria de Imprensa do 13º Festival de Verão da UFMG