Você está convidado a preencher o formulário do projeto Imagem da Semana sobre o uso de redes sociais como ferramenta de ensino médico.
Pedimos que preencha os dados aqui com seriedade, a fim de melhorar nosso serviço e a estruturação do projeto. Garantimos o sigilo de todos os participantes do questionário, sua identificação não será necessária.

Anterior

Caso 18

Próximo


Clique sobre as imagens acima para aumentar

Paciente do sexo masculino, 12 anos, com história de dor na face lateral do joelho, iniciada há duas semanas.

De acordo com a história clínica e as imagens, o diagnóstico mais provável é:

a) Cisto ósseo aneurismático

25%

b) Displasia fibrosa

25%

c) Osteoblastoma

25%

d) Osteossarcoma

25%
   

Análise da Imagem

Radiografia em AP do terço proximal da perna esquerda de paciente jovem (com a fise aberta) evidenciando lesão expansiva de aspecto lítico, que promove afilamento e insufla a cortical da fíbula proximal, sem sinais de esclerose óssea circunjacente. Apresenta aspecto em “bolha de sabão”. Identifica-se pequena área de fratura no aspecto medial da lesão.

Ressonância Magnética em vários planos da anatomia, nas ponderações T1 e T2, com e sem supressão de gordura, mostrando lesão expansiva de aspecto multiloculado, insuflativa, afilando a cortical, com múltiplos níveis líquido-líquido que contem material hemático em seu interior, associada a sinais de edema nos tecidos moles adjacentes e fratura patológica medial.

Diagnóstico

LETRA A: Resposta certa. De acordo com a idade, queixa do paciente e características radiológicas da lesão (bordas bem definidas, sem esclerose, aspecto insuflativo, presença de nível líquido-líquido e aparência de “bolhas de sabão”) o diagnóstico mais provável é cisto ósseo aneurismático.

LETRA B: Displasia fibrosa é uma lesão benigna, na qual o osso é substituído por tecido conjuntivo. É mais comum na adolescência e no sexo masculino. Pode acometer um osso ou vários ossos (respectivamente forma monostótica e poliostótica), tem preferência pelo fêmur distal, tíbia, arcos costais e crânio. A maioria dos pacientes é assintomática, porém podem ocorrer dor e edema localizados. À radiografia simples, observa-se lesão que compromete predominantemente a diáfise, com aspecto de “vidro despolido”

LETRA C: Osteoblastoma é um tumor benigno, raro, mais comum em homens na segunda década de vida. Os pacientes relatam dor crônica localizada, que respondem pouco aos antiinflamatórios não-esteróides. À radiografia, observa-se lesão radiotransparente, arredondada, de limites bem definidos e usualmente maior que dois cm de diâmetro. Frequentemente, é necessário complementação com exames de imagem mais complexos, como Ressonância Magnética ou Tomografia Computadorizada, para melhor caracterização da lesão.

LETRA D: O osteossarcoma é um tumor maligno primário dos ossos, raro, mais comum no sexo masculino, na adolescência. A maioria dos pacientes queixa dor localizada, com duração de meses associada a aumento de partes moles. Tem preferência por metáfises de ossos longos, como fêmur distal, tíbia proximal e úmero proximal. Radiologicamente, a lesão tem aspecto destrutivo, com aparência agressiva, limites mal definidos, com zona de transição larga, observando-se, em geral, calcificações amorfas em seu interior, relacionadas à presença de matriz osteóide. No caso em questão, a lesão se apresenta com limites bem definidos, aspecto insuflativo e ausência de massa de partes moles associada, o que torna esse diagnóstico pouco provável.

Discussão do Caso

Cisto Ósseo Aneurismático é uma lesão osteolítica, benigna, expansiva, constituída por espaços cheios de sangue. Pode acometer qualquer parte do esqueleto, sendo mais comum em ossos longos e coluna vertebral. Em muitos casos, tem crescimento rápido com destruição do osso. Pode ser primário ou secundário a uma lesão preexistente. Quando primária, tem seu início em uma malformação arteriovenosa do osso e sua pressão hemodinâmica estabelece o cisto. O termo cisto ósseo aneurismático traz confusões, pois a lesão não é um aneurisma verdadeiro, nem um cisto verdadeiro, visto que não há revestimento epitelial.

É mais comum ocorrer em adolescentes do sexo feminino. Tipicamente causa dor localizada, pode se apresentar com fraturas patológicas, claudicação e edema à medida que a lesão aumenta de tamanho. Lesões na coluna vertebral podem causar sintomas neurológicos devido à compressão de raízes nervosas.

A radiografia simples é o melhor exame para avaliação inicial de tumores ósseos, estabelecendo o diagnóstico com alta acurácia na maioria dos casos. Em cerca de 80 a 90% dos casos, tumores benignos podem ser diagnosticados apenas com a avaliação das características à radiografia convencional e pelos dados  epidemiológicos, como a faixa etária do paciente. No caso analisado, as características radiológicas que permitem a caracterização de cisto ósseo aneurismático são: lesão bem delimitada, de aspecto lítico, expansiva e insuflativa. As lesões são circunscritas e adquirem a aparência de “bolhas de sabão”, que são secundárias à persistência das trabéculas ósseas, além de se observar níveis fluidos. O tratamento consiste na excisão, curetagem e enxerto ósseo do cisto. Cauterização química ou crioterapia podem ser necessárias em alguns casos.

Aspectos relevantes

- É uma lesão vascular expansiva benigna.

- 90% ocorrem em indivíduos menores de 20 anos, com a fise aberta.

- Apresenta-se como dor ou edema localizado.

- Acomete preferencialmente a coluna vertebral, fêmur e tíbia.

- O diagnóstico diferencial é feito principalmente com osteoblastoma, displasia fibrosa e osteossarcoma.

Referências

1. Tis JE. Overview of benign bone tumors in children and adolescents. Waltham: UpToDate, 2011. [acesso em janeiro de 2011]. Disponível em: http://www.uptodate.com/contents/overview-of-benign-bone-tumors-in-children-and-adolescents

2. Wang LL, Chintagumpala M, Gebhardt MC. Osteosarcoma: epidemiology, pathogenesis, clinical presentation, diagnosis, and histology.Waltham: UpToDate, 2011. [acesso em janeiro de 2011]. Disponível em: http://www.uptodate.com/contents/osteosarcoma-epidemiology-pathogenesis-clinical-presentation-diagnosis-and-histology

3. Silva EDO, Gomes ACA, Raimundo RC, et AL. Cisto Ósseo Aneurismático: Relato de Caso e Revisão da Literatura. Rev Cir Traumatol Buco-Maxilo-Fac. 2007; 7:9-18.

Responsável

Marianna Amaral Pedroso - aluna do 11º período de Medicina da FM-UFMG. E-mail: nana_medicina[arroba]yahoo.com.br

Orientadora

Profa. Luciana Costa Silva, Professora-Assistente do Departamento de Propedêutica Complementar, Faculdade de Medicina da UFMG. E-mail: costaluciana[arroba]ufmg.br

Commentics

Sorry, there is a database connection problem.

Please check back again shortly.

Bookmark and Share

Siga o Imagem:      Twitter  |    Facebook  |    Informativo semanal  |    E-mail