Você está convidado a preencher o formulário do projeto Imagem da Semana sobre o uso de redes sociais como ferramenta de ensino médico.
Pedimos que preencha os dados aqui com seriedade, a fim de melhorar nosso serviço e a estruturação do projeto. Garantimos o sigilo de todos os participantes do questionário, sua identificação não será necessária.

Anterior

Caso 176

Próximo


Clique sobre as imagens acima para aumentar

Paciente feminino, de 23 anos de idade, previamente hígida, sem comorbidades, procurou atendimento médico em Unidade Básica de Saúde devido a queixa de odinofagia e de lesões esbranquiçadas como uma película de nata, recobrindo língua e palato, há duas semanas (Figura 1).

São fatores de risco para as lesões apresentadas no quadro acima, EXCETO:

a) Sexo oral desprotegido.

25%

b) Corticoterapia inalatória crônica.

25%

c) Síndrome de Imunodeficiência Adquirida.

25%

d) Antibioticoterapia de amplo espectro.

25%
   

Análise da Imagem

Imagem 1 - Placas brancacentas, parecendo “coalho”, sob a língua; arcada dentária com irregularidades de implantação, conservação precária, perdas de dentes e com exposição de sua raiz.

Diagnóstico

As lesões esbranquiçadas recobrindo a superfície mucosa são frequentemente associadas à candidíase oral, determinada pela Candida sp. Este tipo de lesão é mais frequente em lactentes e adultos imunossuprimidos. A forma como se apresenta, nesta paciente, entretanto, por sua intensa disseminação, denuncia imunodeficiência, especialmente, dos linfócitos T auxiliares, que se associam à resposta granulomatosa, e estão envolvidos, principalmente, nos processos de defesa contra vírus, Mycobacterium, espiroquetas, fungos, e protozoários.1, 2

Constituem fatores de risco para a candidíase a corticoterapia inalatória crônica, a síndrome de imunodeficiência adquirida e a antibioticoterapia de amplo espectro, por reduzirem a capacidade de defesa para a Candida sp. O sexo oral desprotegido, mesmo expondo os parceiros a secreções potencialmente contaminadas, não é fator de risco estrito para candidíase oral, atuando dessa forma, apenas, se o indivíduo a ser contaminado pela boca esteja em estado de imunossupressão.3

Discussão do caso

A candidíase tem como agentes causadores os fungos do gênero Candida, principalmente a espécie Candida albicans que, comumente, coloniza o ser humano, em especial, os tratos digestivo, respiratório, genital feminino e pele. A candidíase oral pode ser observada em lactentes e em adultos sob imunossupressão contra a Candida sp., como ocorre na antibioticoterapia de amplo espectro, quimioterapia, radioterapia em cabeça e pescoço, corticoterapia inalatória crônica ou sindrome de imunodeficiência adquirida. O mecanismo de invasão dos tecidos pelo microorganismo é obscuro, sendo conhecidos quatro fatores que interferem nesse processo, como: 1. adesinas que auxiliam a ligação do fungo às células hospedeiras; 2. formação de hifas que penetram no epitélio; 3. secreção de enzimas fúngicas; e, 4. capacidade do fungo em se adaptar ao microambiente do hospedeiro. Na candidíase oral, a superfície da mucosa apresenta a formação de placas, esbranquiçadas, cremosas ou membranosas.2, 3

A candidíase oral deve ser diferenciada, de: 1. líquen plano em sua forma mucosa, que se apresenta com lesões esbranquiçadas, diferenciando-se da candidíase oral por causar ardor; 2. leucoplasia pilosa oral, que tem como agente o vírus-Epstein-Barr, acometendo usualmente, portadores do vírus da imunodeficiência humana, e manifestando-se com placas esbranquiçadas nas laterais da língua, diferenciando da candidíase oral por não serem removíveis com a raspagem da língua; e, 3. neoplasia oral, que pode se apresentar como lesão esbranquiçada, contudo, a sua evolução é mais lenta quando comparada à candidíase oral.2, 3

O diagnóstico de candidíase orofaríngea é confirmado pela raspagem das lesões suspeitas com uma espátula e coloração do material pelo método de Gram ou KOH e examinado em microscópio. A cultura das lesões não costuma ser indicada, salvo em sua reincidência. O tratamento pode ser tópico, com nistatina, cetoconazol e clotrimazol; ou pela via oral, com cetoconazol, fluconazol e itraconazol.2

Aspectos relevantes

- Imunossupressão: estado em que o sistema imune se mostra incapaz em contrapor um processo infeccioso de determinado hospedeiro;1

- Pacientes com o diagnóstico de síndrome de imunodeficiência adquirida têm deficiência na resposta celular, especialmente, de linfócitos T auxiliares;1

- A candidíase oral apresenta-se com placas brancas aderentes à mucosa oral e língua, e ao serem destacadas revelam um enantema intenso e doloroso.1

Referências

- Veronesi R, Focaccia R. Tratado de infectologia. 4ª edição. Ed.Atheneu. São Paulo. 2009. Vol.1. p.9 - 23, p.171 e p.176.

- Veronesi R, Focaccia R. Tratado de infectologia. 4ª edição. Ed.Atheneu. São Paulo. 2009. Vol.2. p.1493 - 1505.

- UpToDate. http://www.uptodate.com/contents/overview-of-candida-infections?source=preview&search=moniliase&selectedTitle=1~150&language=en-US&anchor=H3#H3. Acesso em 21nov. 2014.

Responsável

Lucas Vieira Rodrigues. Acadêmico do décimo período de Medicina da UFMG. Email: lucasvrvr[arroba]gmail.com

Revisores

André Guimarães, Júlio Guerra, Hércules Hermes Riani e Viviane Parisotto.

Orientador

Ana Elisa Tavares Diniz. Médica generalista da atenção primária da Prefeitura de Belo Horizonte. Email anaelisatd[arroba]gmail.com

Commentics

Sorry, there is a database connection problem.

Please check back again shortly.

Bookmark and Share

Siga o Imagem:      Twitter  |    Facebook  |    Informativo semanal  |    E-mail