Você está convidado a preencher o formulário do projeto Imagem da Semana sobre o uso de redes sociais como ferramenta de ensino médico.
Pedimos que preencha os dados aqui com seriedade, a fim de melhorar nosso serviço e a estruturação do projeto. Garantimos o sigilo de todos os participantes do questionário, sua identificação não será necessária.

Anterior

Caso 152

Próximo


Clique sobre as imagens acima para aumentar

Paciente do sexo masculino, 60 anos, admitido no pronto atendimento sonolento, hemiplégico à direita e com paralisia facial central à direita, afásico, em Glasgow 10 (RO2/RV2/RM6). Relato de ter sido encontrado em casa inconsciente, nas primeiras horas da manhã, pela família, que não soube precisar o horário de início do quadro. História pregressa de doença coronariana, tabagismo (40 anos-maço) e transtorno bipolar em tratamento. Foi solicitada tomografia computadorizada (TC) de encéfalo, sem contraste endovenoso.

Qual o diagnóstico mais provável e a melhor conduta com base nos dados clínicos e nas imagens?

a) Acidente vascular encefálico isquêmico (AVEi) - Internação em unidade de terapia intensiva e iniciar trombólise com r-tPa

25%

b) Ataque isquêmico transitório (AIT) - Observação em sala de emergência e aguardar resolução espontânea dos déficits neurológicos

25%

c) Acidente vascular encefálico isquêmico (AVEi) - Internação em unidade de terapia intensiva e exame neurológico seriado

25%

d) Acidente vascular encefálico hemorrágico (AVEh) - Encaminhar para tratamento cirúrgico de emergência para aspiração do coágulo e controle do sangramento

25%
   

Análise das imagens 

Imagens 5 e 6: Extensa área hipotenusa em lobos cerebrais frontal, parietal e temporal esquerdos (sombreado amarelo), associada a apagamento de sulcos intergirais adjacentes, assim como perda da distinção entre substâncias branca e cinzenta - sinais tomográficos compatíveis com acidente vascular isquemico recente em território da artéria cerebral média ipsilateral. Hemisfério cerebral direito com características dentro dos limites da normalidade. Na imagem 5, são evidenciados (setas amarelas) os giros e sulcos intergirais e, na imagem 6, a distinção entre substâncias branca e cinzenta.

 

Imagens 7 e 8: Artéria cerebral média esquerda hiperdensa em toda a sua extensão (“sinal da artéria hiperdensa”), desde a linha média até a área profunda da região frontotemporal ipsilateral, como sinalizado pelas setas amarelas em ambas as imagens.

 

Imagem 9: Observa-se ausência do sulco nasolabial à direta (presente à esquerda - seta amarela), evidenciando lesão contralateral da área responsável pela motricidade facial.

Diagnóstico

A visualização do “sinal da artéria hiperdensa” e de edema cerebral na TC (indicando oclusão vascular) associada aos déficits neurológicos focais exuberantes, sugerem fortemente o diagnóstico de um AVEi. Para a escolha do tratamento é imprescindível determinar o tempo de evolução do episódio (intervalo crítico), que tem início com a instalação do quadro neurológico.

Se o intervalo crítico for < 4 horas e meia, é indicada a trombólise com r-tPa (ativador recombinante do plasminogênio tecidual). Já um intervalo crítico desconhecido ou > 4 horas e meia, como no caso apresentado, contraindica a trombólise, sendo adequado instituir medidas clínicas de suporte e monitorização constante do quadro neurológico.

Os ataques isquêmicos transitórios (AITs) são pequenos focos de interrupção temporária da perfusão cerebral, sem que haja morte tecidual (infarto) da área de irrigação, como ocorre no AVEi. A área de hipodensidade e a perda da distinção entre massas cinzenta e branca, além de apagamento dos giros e sulcos, são achados muito sugestivos de infarto.

O AVE hemorrágico (AVEh) apresenta-se na TC como área hiperdensa (acúmulo sanguíneo), podendo ser circundada por halo hipodenso, constituído por fluido seroso extravasado do coágulo, associado a edema vasogênico. Em casos de sangramento abundante, o processo patológico pode provocar efeito de massa sobre estruturas circunjacentes, inclusive com desvio contralateral da linha média.

Discussão

Com incidência anual no Brasil de 108 casos por 100 mil habitantes, os AVEs são fenômenos graves, que frequentemente levam à morte ou à incapacidade funcional. No Brasil, a taxa de mortalidade gira em torno de 18,5% e 30,9%, respectivamente 30 dias e 12 meses após o evento.

Dentre os principais fatores de risco, estão: hipertensão arterial sistêmica, aterosclerose, estenose carotídea, tabagismo, arritmias cardíacas (principalmente a fibrilação atrial), diabetes mellitus, hiperlipidemia, doença falciforme, obesidade e excesso de gordura abdominal.

Os êmbolos que, chegando à circulação cerebral, provocam obstrução e morte tecidual, podem ser provenientes de diversos sítios, sendo os principais as placas ateroscleróticas (sobretudo aquelas localizadas na base da aorta e na bifurcação das carótidas), o coração (trombos se formam em câmaras com discinesia e batimentos arrítmicos) e as valvas cardíacas estenosadas ou mecânicas.

As manifestações clínica de pacientes que sofreram um AVEi variam com o sítio do evento, havendo déficits focais duradouros (>24h) e, comumente, rebaixamento do nível de consciência. As artérias cerebrais médias (ACMs) são acometidas em cerca de 2/3 dos casos de AVEi. A oclusão do tronco principal da ACM provoca danos devastadores, com infarto da maior parte do hemisfério ipsilateral – como visto no caso apresentado. O quadro clássico da oclusão da ACM é caracterizado por hemiparesia e hemiplegia de membros e face contralaterais, hemianopsia ou quadrantanopsia contralaterais, afasia (acometimento do hemisfério esquerdo) ou heminegligência e desorientação espacial (acometimento do hemisfério direito), dependendo da dominância cerebral do paciente. De maneira geral, os déficits são permanentes.

É interessante notar que o quadro clínico (sem tratamento) de um AVEh costuma deteriorar em curto espaço de tempo, em oposição ao AVEi, em que o quadro tende a se estabilizar após o 5º dia, fase máxima do edema cerebral (gráficos 1 e 2).

A principal estratégia de combate à ocorrência dos AVEs isquêmicos é a prevenção, que deve ser focada nos fatores de risco ditos modificáveis: redução da colesterolemia, controle da glicemia e da pressão arterial, além de anticoagulação efetiva nos casos de discinesias cardíacas e na presença de valvas mecânicas.

A realização de endarterectomia preventiva (por cirurgião experiente) está indicada para pacientes de até 75 anos com estenose carotídea assintomática maior ou igual a 70%. Nessas condições, o procedimento reduz pela metade o risco de AVEi em 5 anos.

 

Gráfico 1

 

Gráfico 2

 

Aspectos Relevantes

- Os AVEs isquêmicos são fenômenos graves, de alta incidência no Brasil e no mundo e que frequentemente levam à morte ou à incapacidade funcional.

- É importante fazer a distinção correta entre um AIT, um AVEi e um AVEh, que tem tratamentos e prognósticos muito distintos. Para isso, o método de imagem de escolha é a TC sem meio de contraste endovenoso.

- Alguns dos principais fatores de risco são: hipertensão arterial sistêmica, aterosclerose, tabagismo, arritmias cardíacas (principalmente a fibrilação atrial), diabetes mellitus, obesidade e excesso de gordura abdominal.

- Para a escolha do tratamento é imprescindível determinar o tempo de evolução do episódio (intervalo crítico), que tem início com a instalação do quadro neurológico. Um intervalo crítico < 4 horas e meia indica a trombólise com r-tPa (ativador recombinante do plasminogênio tecidual), enquanto um intervalo crítico desconhecido ou > 4 horas e meia contraindica a trombólise.

- A prevenção dos AVEi deve ser focada em: redução da colesterolemia, controle da glicemia e da pressão arterial, além de anticoagulação efetiva nos casos de discinesias cardíacas e na presença de valvas mecânicas.

- A endarterectomia preventiva está indicada para pacientes de até 75 anos com estenose carotídea assintomática maior ou igual a 70%. Nessas condições, o procedimento reduz pela metade o risco de AVEi em 5 anos.

Referências

- Furie, KL Ay, H. Initial evaluation and management of transient ischemic attack and minor stroke. In: UptoDate, Post TW (Ed), UpToDate, Whatham, MA, 2014.

- Oliveira-Filho J, Koroshetz, WJ. Antithrombotic treatment of acute ischemic stroke and transient ischemic attack. In: UptoDate, Post TW (Ed), UpToDate, Whatham, MA, 2014.

- Oliveira-Filho J, Koroshetz, WJ. Initial assessment and management of acute stroke. In: UptoDate, Post TW (Ed), UpToDate, Whatham, MA, 2014.

- Diretrizes de atenção à reabilitação da pessoa com acidente vascular cerebral – Ministério da Saúde.  2013. (disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_atencao_reabilitacao_acidente_vascular_cerebral.pdf)

- Goldman`s Cecil Medicine. 24th edition Philadelphia: Elsevier-Saunders, 2012.

- MRC Asymptomatic Carotid Surgery Trial (ACST) Collaborative Group. Prevention of disabling and fatal strokes by successful carotid endarterectomy in patients without recent neurological symptoms: randomised controlled trial. Lancet. 2004, (363):1491-1502.

Autora

Cinthia Francesca Barra Rocha, acadêmica do 11° período de Medicina da FM-UFMG

E-mail: cinthiabarra[arroba]gmail.com

Orientadores

Prof. Marcelo Magaldi Ribeiro de Oliveira, neurocirurgião, professor do Departamento de Cirurgia da FM-UFMG

E-mail: mmagaldi[arroba]hotmail.com

 

Prof. José Nelson Mendes Vieira, radiologista, professor do Departamento de Anatomia e Imagem da FM-UFMG

E-mail: zenelson.vieira[arroba]gmail.com

Revisores

André Toledo, André Guimarães, Thaís Salles, Profa. Viviane Parisotto, Hércules Riani, Letícia Horta, Ana Júlia Furbino

Commentics

Sorry, there is a database connection problem.

Please check back again shortly.

Bookmark and Share

Siga o Imagem:      Twitter  |    Facebook  |    Informativo semanal  |    E-mail