Você está convidado a preencher o formulário do projeto Imagem da Semana sobre o uso de redes sociais como ferramenta de ensino médico.
Pedimos que preencha os dados aqui com seriedade, a fim de melhorar nosso serviço e a estruturação do projeto. Garantimos o sigilo de todos os participantes do questionário, sua identificação não será necessária.

Caso 01

Próximo


Clique sobre as imagens acima para aumentar

Paciente de 58 anos de idade, masculino, assintomático, PSA=20. Solicitada cintilografia óssea (99mTc-MDP).

Analisando estas imagens você pode concluir que:

a) O exame é normal.

25%

b) Houve troca de exames. Este é de paciente muito mais jovem.

25%

c) Trata-se de disseminação óssea generalizada de Ca de próstata.

25%

d) Trata-se de doença metabólica com intensa e generalizada atividade osteoblástica.

25%
   

Análise da imagem

Intensa, difusa e irregular captação do material radioativo injetado (disfosfonato marcado com tecnécio) especialmente no esqueleto axial com praticamente nenhuma excreção urinária do material (via usual de excreção do material).

Diagnóstico

A imagem acima mostra a disseminação óssea de Ca de próstata com acometimento de todo o esqueleto (LETRA C).

A disseminação óssea quando muito intensa e generalizada se traduz por intensa captação do material por todo esqueleto (especialmente axial), lembrando o padrão normal de um adulto jovem (sem indícios de perda da massa óssea). Praticamente todo o material se fixa no osso e pouco é eliminado via renal assim a visualização do rim e bexiga são desprezíveis. Este padrão cintilográfico é denominado SUPERSCAN.

LETRAS A e B: Apesar da intensa captação sugerir tratar-se de paciente jovem, a ausência das epífises de crescimento e a discreta/ausente visualização dos rins afastam estas possibilidades.

LETRA D: O padrão de alteração óssea de causa metabólica caracteristicamente acomete o esqueleto como um todo tanto axial como apendicular, inclusive mãos, pés e calvário.

Discussão do caso

O Câncer de próstata é o tumor maligno mais comum e a segunda causa de morte tumor relacionada em homens. Pelo menos 50% dos homens por volta dos 50 anos e 80% daqueles por volta dos 80 anos tem focos microscópicos Ca de próstata. A maioria deles é clinicamente oculta, apenas 5 a 10% apresentam sintomas nesta fase. O diagnóstico se baseia no exame de toque retal e na dosagem de PSA (importante lembrar que prostatite e infartos prostáticos podem elevar o PSA). Os estudos de imagem (US/CT/RM/MN) não têm papel relevante na detecção do Câncer de Próstata. No entanto, são essenciais para o estadiamento, definição terapêutica e seguimento do paciente. Ressalta-se que as alterações cintilográficas que traduzem a intensa atividade osteoblástica frente à agressão tumoral aparecem precocemente antes das alterações radiológicas e, não raramente ainda com o paciente assintomático.

Sobre a técnica da imagem

As imagens cintilográficas são obtidas após a administração venosa de material radioativo (NÃO É CONTRASTE) que se fixa aos ossos permitindo a aquisição das imagens 3 horas após empregando-se equipamento de gama-câmara (gantry aberto, bem tolerado pelos pacientes) e, com duração de 10 minutos (câmaras com dois detectores). As imagens apresentadas são obtidas com software de corpo inteiro sem a necessidade de realizar diferentes imagens para tórax, abdome, pelve etc. Dose de radiação total efetiva para o paciente é de aproximadamente 4.218mSv (dose total efetiva de uma TC de tórax= 9.3mSv).

Aspectos relevantes

- 1 em cada 11 homens terão Ca de próstata;

- 95% são adenocarcinomas;

- O diagnóstico é clínico-laboratorial;

- O US tem importância para guiar a biópsia da glândula;

- A cintilografia detecta metástases ósseas precocemente antes das alterações ao RX;

Informações adicionais

- Christensen, C.R. Skeletal Metastases. In: Morton, K. A.; Clark, P. B. Diagnostic Imaging. Nuclear Medicine. Canadá, 2007.

Responsáveis

Profa. Viviane Parisotto, Pediatra e Médica Nuclear, Professora do Departamento de Propedêutica Complementar da FM-UFMG. E-mail: parisottoviviane[arroba]yahoo.com.br.

Manuel Schutze, acadêmico de medicina do 10º período da FM-UFMG. E-mail: mschutze[arroba]gmail.com

Commentics

Sorry, there is a database connection problem.

Please check back again shortly.

Bookmark and Share

Siga o Imagem:      Twitter  |    Facebook  |    Informativo semanal  |    E-mail