Tendo em vista a importância da internacionalização para o desenvolvimento da pesquisa em nosso país, a CAPES tem dado grande ênfase nesse quesito em sua avaliação qualitativa dos Programas de Pós-Graduação com conceito 6 ou 7. Seguindo essa prioridade, o Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde: Infectologia e Medicina Tropical vem desenvolvendo atividades voltadas para sua internacionalização, nas quais seus docentes e discentes têm papel fundamental na efetivação dos compromissos internacionais de alto impacto em nossas projetos desenvolvidos em colaboração com instituições do exterior e, consequentemente, na manutenção da qualidade e excelência de nosso Programa junto a essa agência. Nesse sentido, muitos orientadores cadastrados em nosso Programa possuem inserção internacional, e temos tido alunos estrangeiros matriculados em nosso mestrado e doutorado, bem como alunos brasileiros realizando doutorado sanduíche em instituições de ensino e/ou pesquisa no exterior.

Dentre algumas das iniciativas realizadas, ou em realização, nos últimos anos, envolvendo nosso Programa de Pós-Graduação, podemos destacar:

  1. Projeto PROANGOLA:

Este projeto objetivou a cooperação entre o Brasil e a Angola na área da Saúde Pública, tendo sido registrado no SIEX/UFMG sob o número 400563, em 2009, com atividades desenvolvidas nas áreas de ensino, pesquisa e extensão. O projeto contou com a participação de 31 estudantes de pós-graduação vinculados ao Governo de Angola (Forças Armadas Angolanas), os quais realizaram cursos de aperfeiçoamento, especialização e mestrado junto ao nosso Programa. Dentro do projeto, um plano piloto de Implantação do Sistema de Telessaúde na Direção dos Serviços de Saúde das Forças Armadas Angolanas foi executado, além de seis missões técnico-científicas que foram realizadas naquele país, resultando, além dos projetos descritos, na elaboração do projeto de Implantação do Centro Militar de Higiene e Epidemiologia – Laboratório Central de Saúde Pública, cujo Plano Diretor foi entregue às autoridades dos Serviços de Saúde, em 2009.

  1. Projeto de Cooperação com Moçambique:

Este projeto objetivou também a melhoria das condições de Saúde Pública em Moçambique, tendo sido aprovado pela CAPES no ano de 2013. Diversas iniciativas foram tomadas para organização e estruturação das ações educativas e de pesquisa em instituições daquele país, sendo que visitas colaborativas entre pesquisadores docentes dos dois países, além de discentes de nosso programa, foram realizadas, sendo que, exemplificamente, foram elaborados protocolos de pesquisa, confecções de banco de dados, visitas de trabalho em Nampula, região norte de Moçambique, dentre outras atividades. Em março de 2015, foi dada continuidade às atividades de pesquisa de campo em hanseníase, com a participação de graduação e pós-graduandos em grupo de pesquisa vinculado a nosso Programa.

  1. Colaboração técnico-científica com a Universidade de Southampton:

Entre os meses de novembro e dezembro de 2015, nosso Programa recebeu a visita de três renomados pesquisadores da Universidade de Southampton (Reino Unido), com vistas à realização de tratativas para início de colaboração técnico-científica entre a Faculdade de Medicina das duas Instituições. A vinda de tais pesquisadores possibilitou o início de um caminho de colaboração internacional em diversas linhas da Medicina Tropical e Infectologia, que deverá impactar significativamente na internacionalização de nosso Programa. Tal parceria possibilitará o intercâmbio de docentes e discentes entre as duas Instituições, possibilitando a formação de recursos humanos da mais alta qualidade, além do desenvolvimento de projetos de excelência e publicações de artigos científicos de elevado impacto. Uma delegação composta por dois docentes de nosso Programa esteve em Southampton em junho de 2016, com o objetivo de iniciarmos formalmente o processo de colaboração, por meio de projetos de pesquisa já firmados entre os pesquisadores e submetidos a editais internacionais. Desse novo encontro, foi firmada nova visita dos pesquisadores de Southampton para novembro de 2016. A ida de discentes de nosso Programa está prevista para 2017.

  1. Outra medida que nosso Programa acredita ser importante em seu processo de internacionalização é a recepção de alunos estrangeiros para realizarem mestrado e doutorado. Por meio do Programa de Bolsas – PAEC OEA-GCUB 2015, recebemos dois alunos de doutorado e um aluno de mestrado oriundos da Venezuela, Chile e República Dominicana. Tais discentes estão matriculados no Programa e com suas atividades em curso no presente momento, contando com bolsas de estudo concedidas pelo Colegiado e sob a orientação de professores de nosso Programa.
  1. Há projetos e colaborações pontuais entre orientadores do Programa com pesquisadores e/ou Instituições internacionais já em desenvolvimento, alguns desses pesquisadores até registrados como co-orientadores de alunos de nosso Programa, de forma que costumeiramente temos tido também o intercâmbio entre docentes e discentes em tais células colaborativas, visando ao aprimoramento da pesquisa desenvolvida no âmbito de nossa Instituição e à melhoria da formação de recursos humanos para o campo profissional em nosso país.