ATIVIDADES ASSISTENCIAIS

Atividades ambulatoriais

Serviço de Doenças Infecciosas e Parasitárias do Hospital das Clínicas da UFMG conta com área virais específica para atendimento referencial às doenças infecciosas e parasitárias, com ênfase para Aids, doença de Chagas, esquistossomose, hepatites, leishmanioses e paracoccidioidomicose. Esta área localiza-se no Campus da Saúde, no Centro de Treinamento e Referência em Doenças Infecciosas e Parasitárias (CTR-DIP), convênio da UFMG com a Prefeitura Municipal de Belo Horizonte. No CTR-DIP trabalham, de forma integrada, os docentes da DIP, médicos da Prefeitura, enfermeiros, assistentes sociais, farmacêuticos, dentistas, psicólogos e atendentes de saúde, além dos alunos da graduação e pós-graduação. O CTR-DIP constitui centro de referência no Estado de Minas Gerais não só para atendimento de doenças infecciosas e parasitárias, como também para o treinamento de profissionais na área de saúde.

Enfermaria

As enfermarias do Serviço de Doenças Infecciosas e Parasitárias encontram-se instaladas no Hospital das Clínicas da UFMG, instituição de referência e normatizadora de condutas no manejo dessas doenças no Estado de Minas Gerais. Aqui também se integram as atividades assistenciais, o ensino na Graduação, Residência Médica e Pós-Graduação e as atividades referentes a algumas linhas de pesquisa. Em 2002 recebemos financiamento do FINEP para melhoria da infra-estrutura das enfermarias, o que possibilitou a instalação de seis unidades de isolamento respiratório no 7º andar do hospital. Essa enfermaria mostrou-se importantíssima durante a pandemia de influenza H1N1, em 2009. Também em 2002, inaugurou-se o Hospital-Dia anexo ao CTR-DIP, com seis leitos e ambulatório específico, o que veio facilitar o tratamento de pacientes com Aids, casos de leishmaniose com contra-indicação para tratamento com antimoniais, cardiopatia chagásica descompensada e outras situações moderadamente graves.

Pronto Atendimento

Grande parte da demanda ao setor de Pronto Atendimento do Hospital das Clínicas da UFMG relaciona-se com doenças infecciosas e parasitárias (27,7%). Este setor atua como suporte assistencial aos pacientes neutropênicos febris, com síndrome de imunodeficiência adquirida e com cardiopatia chagásica descompensada, servindo como porta de entrada para parcela significativa dos pacientes atendidos no serviço de doenças infecciosas e parasitárias. Constitui campo excepcional para o ensino e pesquisa do Programa, contando com a participação ativa de diversos de nossos alunos e docentes, que trabalham integrados com os alunos do 10° período que cursam o Internato em Clínica Médica.

Centros de Terapia Intensiva do Hospital das Clínicas da UFMG e do Hospital Risoleta Tolentino Neves

Prestam-se às atividades assistenciais de docentes e discentes do Programa, notadamente daqueles vinculados às linhas de pesquisa em sepse, imunologia das doenças infecciosas e de cardiopatia tropical / Doença de Chagas.

Centro de Referência em Malária de Minas Gerais

Desde 1991, o Programa coordena as atividades de ensino e pesquisa deste Centro, localizado na Faculdade de Medicina da UFMG, em convênio com a Secretaria Estadual de Saúde e com a FUNASA. No período de janeiro de 2005 a dezembro de 2010, o Centro de Referência em Malária de Minas Gerais realizou 1953 exames de gota espessa, sendo 459 casos positivos, 1605 lâminas de revisão de todo o estado (este serviço passou a ser feito pela Fundação Ezequiel Dias a partir de 2010), 2203 orientações para viajantes. Atendeu 261 pacientes internados nos diversos hospitais do estado e tratou diretamente 196 casos de P. falciparum, 220 casos de P. vivax, 34 casos mistos e 9 (nove) casos por P. orale, em atendimento diuturno. A equipe técnica do Centro ministra palestras informativas e promove cursos periódicos, dirigidos aos profissionais de saúde. Além disso, as atividades do Laboratório de Malária redundam em produção científica, com comunicações em Congressos (e.g., temas-livres sobre atendimento a pacientes com malária em área não endêmica) e relatórios técnicos. Adicionalmente, têm sido disponibilizados estágios em cursos para laboratoristas, técnicos e acadêmicos em Medicina e cursos de atualização para técnicos de laboratório de diversos municípios do estado de Minas Gerais.

Hospital Risoleta Tolentino Neves

Desde 2007 ampliou-se a infra-estrutura assistencial de nosso Programa, com recursos do Hospital Risoleta Tolentino Neves, gerenciado pela UFMG, sob convênio com a Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais. Passamos a dispor de 35 leitos para tratamento intensivo e de oito leitos em enfermaria, sob preceptoria dos professores Fernando Antônio Botoni, docente do nosso Programa. Com isso, ampliamos as linhas de pesquisa no estudo da sepse e no tratamento dos processos infecciosos graves, além de se disponibilizar maior número de leitos para a Residência Médica em Infectologia, prática integrada ao ensino e à pesquisa.

Centro de Referência em Leishmaniose Visceral

Funciona no Pronto Atendimento do Hospital das Clínicas da UFMG, desde 2004 e sob coordenação da Profa. Regina Lunardi Rocha, docente do nosso Programa, servindo como base assistencial para as pesquisa desenvolvidas nesta área, juntamente com pesquisadores do Instituto de Ciências Biológicas da UFMG.

Centro de Referência em Leishmaniose Cutâneo-Mucosa

Funciona há quatro anos no Anexo São Geraldo do Hospital das Clínicas da UFMG, Setor de Otorrinolaringologia, sendo referência estadual para treinamento, ensino e pesquisa no manejo clínico desta endemia, sob coordenação da Profa. Denise Utsch Gonçalves, constituindo linha de pesquisa ativa do Programa.

Ambulatório de Referência para Influenza Pandêmica H1N1

Em 2009, criou-se este ambulatório de referência no campus da saúde da UFMG, para atendimento referencial aos casos de influenza H1N1, sob coordenação do Prof. Unaí Tupinambás e participação de médicos residentes do Serviço de Doenças Infecciosas e Parasitárias do Hospital das Clínicas da UFMG, abrindo novas perspectivas de pesquisa em virologia clínica para o Programa. Esse ambulatório foi aberto em parceria com a Secretaria de Municipal de Saúde da Prefeitura de Belo Horizonte. Com a remissão da epidemia, esse ambulatório foi desativado, havendo perspectiva de reabri-lo em caso de necessidade.

LABORATÓRIOS

Centro de Vivência do Programa de Pós-Graduação em Infectologia e Medicina Tropical.

O Programa de Pós-Graduação em Infectologia e Medicina Tropical criou um Centro de Vivência no ambiente da sala 259 da Faculdade de Medicina, que passou por uma recente reforma na qual a mesma foi completamente remodelada, ganhando novos móveis e luminárias, novas bancadas de trabalho para alunos e grupos de pesquisa poderem se reunir, além de um espaço para reuniões de Colegiado e qualificações de Doutorado no âmbito do Programa. O Centro é também destinado à realização de seminários e aulas de disciplinas ofertadas no âmbito do Programa, contando com recursos audiovisuais, tais como projetor, Datashow e computadores completos.

Laboratório de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Infectologia e Medicina Tropical

Localizado no primeiro andar da Faculdade de Medicina, o laboratório de pesquisa conta com equipamentos próprios, tais como capela de fluxo laminar com luz germicida, máquina de PCR, centrífuga refrigerada, shaker e estufa com ajuste de temperatura, microscópios, freezer -20oC, balanças analíticas, espectrofotômetro digital, agitadores magnéticos horizontais e verticais, fonte e cuba para eletroforese de proteínas e de DNA. O laboratório foi criado com a missão de permitir a integração entre as pesquisas desenvolvidas nas áreas básica e clínica em nosso Programa, permitindo ampliar a colaboração entre os diferentes grupos que vêm desenvolvendo seus trabalhos de pós-graduação e estimular o desenvolvimento da pesquisa translacional. Atualmente, projetos nas linhas de leishmanioses, esquistossomose, doença de Chagas, cardiologia tropical, dentre outros vêm sendo desenvolvidos no laboratório, como fruto de parcerias e integração entre docentes e discentes com diferentes formações de graduação.

Setor de Imunologia Clínica e Biologia Molecular

Constituído pelas seções de diagnóstico sorológico, imunofenotipagem por citometria de fluxo e seção de biologia molecular. O setor desenvolve pesquisas nos diversos aspectos da Aids, e é referência para o Ministério da Saúde para a contagem de linfócitos CD4+ e CD8+ e um dos laboratórios brasileiros credenciados para a determinação de carga viral para o HIV e de imunogenotipagem para determinação de resistência do HIV aos antiretrovirais. O setor conta com sala de recepção, sala de registro de dados e informática (ligado à rede UFMG), sala da coordenação, almoxarifado e sete salas de laboratório. Também com recursos obtidos junto ao FINEP, ampliamos e equipamos três destas salas, o que possibilitou a ampliação dos recursos diagnósticos pela Biologia Molecular em projetos de pesquisa envolvendo, por exemplo, as pneumonias adquiridas na comunidade, as hepatites B e C, a citomegalovirose e a toxoplasmose, dentre outros.

Setor de Patologia Clínica

Constituído por laboratório multiuso e sala de coordenação, utilizado como suporte às atividades de campo e pesquisas, principalmente nas áreas de esquistossomose mansônica e Aids.

Núcleo de Pesquisa em Apoio Diagnóstico (NUPAD)

Órgão complementar de natureza interdepartamental da Faculdade de Medicina da UFMG, tem como objetivo geral efetivar estudos, pesquisa, prestação de serviços e programas que visem assimilar, desenvolver e aplicar, no sistema de saúde de Minas Gerais, novas tecnologias em diagnóstico e tratamento, prioritariamente no campo da genética e doenças preveníveis do recém-nascido, permitindo ações preventivas, diagnósticos precoces e tratamento oportuno, como condições fundamentais para preservar a saúde. Em sua infra-estrutura, conta com laboratório de triagem neonatal (incluindo uma seção de doenças infecciosas) e laboratório de genética e biologia molecular, além dos setores administrativos e de informática. Na área de Biologia Molecular, encontra-se atualmente capacitado para o diagnóstico de toxoplasmose, tuberculose, leptospirose, doença de Chagas, papilomatose, dengue, HTLV-I e II, AIDS, carga viral de HCV, detecção do vírus da hepatite B, diferenciação de cepas bacterianas, citomegalovirose. O Programa em Infectologia e Medicina Tropical desenvolve, atualmente, quatro projetos de pesquisa conjuntamente com o NUPAD, envolvendo estudos clínico-epidemiológicos nas áreas de Aids, hepatite C, citomegalovirose neonatais e vulnerabilidade de grupos específicos a doenças imunopreveníveis.

Outros laboratórios

Além dos laboratórios instalados na Faculdade de Medicina, os alunos e professores-pesquisadores do Programa utilizam-se regularmente da infra-estrutura disponível nos Departamentos de Bioquímica e Imunologia, de Morfologia e de Fisiologia do Instituto de Ciências Biológicas da UFMG, dentro dos quais mantemos diversos projetos de pesquisa em parceria. O mesmo ocorre com laboratórios do Centro de Pesquisas René Rachou, da FIOCRUZ, e da Fundação Ezequiel Dias, da Secretaria de Saúde de Minas Gerais.

RECURSOS TÉCNICOS DOS LABORATÓRIOS PRÓPRIOS

Equipamentos (sumário): Citômetros de fluxo; Equipamento para determinação de carga viral em pacientes com Aids; Leitor de ELISA, Centrífugas, inclusive refrigerada, Geladeiras; Freezers, inclusive -70ºC; Capelas de fluxo; FACS.

LABORATÓRIO DE REGISTROS GRÁFICOS DO SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS

Montado com recursos da CAPES, FINEP e da FUNASA, administrados pelo programa de Pós-Graduação em Infectologia e Medicina Tropical, este laboratório dispõe de infra-estrutura necessária à realização das provas de função autonômica. Obtivemos recursos junto ao FINEP para reforma e ampliação do laboratório de Registros Gráficos e compra de novos equipamentos para o setor. Adquirimos, também, moderno equipamento de ecocardiografia, instalado no Hospital das Clínicas no ano de 2002, possibilitando a melhoria do atendimento referencial aos pacientes do Ambulatório de Doença de Chagas, assim como a outras linhas de pesquisa do Programa e da Faculdade de Medicina da UFMG. Os recursos disponíveis vêm sendo ampliados e atualizados com utilização de recursos captados junto à CAPES e ao CNPq. Mais recentemente, em 2011, adquirimos um aparelho de ecocardiografia tridimensional. A moderna infraestrutura ora disponível e em expansão, vem permitindo a realização de diversas dissertações e teses, não só dentro de nosso Programa como em outros, dentro da Faculdade, refletindo-se especificamente no incremento de nossa produção acadêmica. Em 2009 concretizamos a aquisição de novo equipamento, de última geração, para realização de exames ecocardiográficos por técnicas diversas, com apoio da Fundação Oswaldo Cruz, com a qual desenvolvemos diversos projetos de pesquisa nos campos da Cardiologia Tropical e, especificamente, em cardiopatia chagásica crônica. Com recursos do SUS, foi disponibilizado equipamento para o serviço de cardiologia do Hospital das Clínicas, como medicina nuclear, e em breve será disponibilizada ressonância nuclear magnética (em fase de montagem).

BIBLIOTECAS

O Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Medicina da UFMG conta com o apoio integral da Biblioteca Baeta Vianna (Campus da Saúde da UFMG), instituição de referência da BIREME. Esta biblioteca assina regularmente mais de 500 periódicos, sendo várias dezenas deles na área das doenças infecciosas e em áreas afins (Epidemiologia, parasitologia médica, microbiologia, imunologia, investigações clínicas). Os funcionários da biblioteca prestam assessoria permanente aos alunos e professores do Programa quanto à normalização bibliográfica, levantamento de bibliografia por via eletrônica (Lilacs, Medline, Scielo, etc) e confecção de fichas catalográficas. Além disso, os alunos contam com a Biblioteca da UFMG, onde têm acesso a um enorme acervo complementar, bastante diversificado. Os alunos do nosso Programa tem acesso irrestrito à Capes, com disponibilidade de serviço wireless no prédio da Biblioteca Baeta Vianna e da Faculdade de Medicina da UFMG.

RECURSOS DE INFORMÁTICA

Todos os professores do Programa contam com equipamentos de informática de tecnologia moderna, ligados à rede da UFMG. O acesso aos recursos de informática é estendido aos alunos da pós-graduação e de iniciação científica, assim como aos residentes do serviço DIP. O acesso ao portal da CAPES também é amplo, incluindo o acesso domiciliar para alunos e professores. Desde 2001, contamos com laboratório de informática, dispondo atualmente de vinte e cinco microcomputadores Pentium IV, destinados ao ensino e treinamento dos pós-graduandos no Núcleo de Epidemiologia Clínica. O site do Programa encontra-se em processo de reformulação, o que o tornará mais informativo (conteúdo revisado), mais acessível (bilíngüe), mais bonito, e mais agradável para o usuário. Esse processo representa um projeto piloto que será estendido aos sites do Centro de Pós-Graduação da Faculdade de Medicina da UFMG, abrangendo os demais programas sediados naquela Unidade. Trata-se de iniciativa essencial dentro do projeto de metas da Pós-Graduação da Faculdade de Medicina da UFMG, incluindo o incremento da sua inserção internacional.

Centro de Informática Médica (CIM) da Faculdade de Medicina da UFMG

Criado em 1992. O CIM tem como objetivo dar apoio computacional aos alunos, para processamento de textos, análise de dados de pesquisa, elaboração de gráficos e acesso à Internet. É responsável pela disciplina de Informática médica, de caráter optativo, ministrada para alunos do nono período, cujo objetivo principal é iniciar o estudante no ambiente de assistência e pesquisa. O CIM disponibiliza os serviços de acesso externo à Internet, gerência de rede, navegação e e-mail pela Internet, editoria e publicações de páginas WEB no “site” da Faculdade de Medicina, serviço de produção e confecção de diapositivos, assessoria de informática aos programas de Pós-Graduação. Para cumprir seus objetivos, o CIM dispõe de cinco salas no sexto andar da Faculdade de Medicina, 30 computadores, cinco funcionários e nove monitores.

Núcleo de epidemiologia clínica e delineamentos de projetos

O Colegiado do Programa em Infectologia e Medicina Tropical recentemente deliberou pela criação de um Núcleo de Epidemiologia Clínica e Delineamento de Projetos, tendo em vista a necessidade de melhoria do ensino nesta área. A coordenação deste Núcleo encontra-se a cargo do professor Antônio Luiz Pinho Ribeiro, do nosso corpo permanente.

Centro de apoio em estatística em saúde na faculdade de medicina

Este projeto cooperativo entre os Programas de Pós-Graduação da Faculdade de Medicina da UFMG em Medicina Tropical, Patologia, Pediatria e Saúde Pública e professores do Departamento de Estatística do Instituto de Ciências Exatas tem como finalidade agilizar a produção de trabalhos científicos no âmbito da Pós-Graduação. Durante o ano de 2002 destinou-se área específica para sua instalação no Centro de Pós-Graduação. Em 2003, foram adquiridos os equipamentos de informática para seu funcionamento.

CETES - Centro de Tecnologia em Saúde

O CETES localiza-se no sexto andar da Faculdade de Medicina da UFMG, dispondo de áreas físicas para atividades de informática médica, simulação e tele-educação. O laboratório de informática presta-se a aulas na graduação e pós-graduação. Encontra-se em fase de finalização uma sala de videoconferência com capacidade para 70 pessoas, já estando disponíveis três salas para produção de conteúdos didáticos. Três profissionais capacitados em animação e modelagem 3D trabalham no setor de produção educacional do CETES. A infraestrutura de teleconsultoria compõe-se de servidores, computadores, filmadoras digitais profissionais e semiprofissionais, e câmaras digitais. O laboratório de simulação dispõe de manequins e equipamentos para as práticas em saúde.

ADMINISTRAÇÃO

As atividades administrativas do Programa de Pós-Graduação em Infectologia e Medicina Tropical são executadas no Centro de Pós-Graduação da Faculdade de Medicina da UFMG. O Centro dispõe, em sua parte administrativa, de área física de aproximadamente 180 metros quadrados, de um auditório, salas de aulas, sala de reuniões, secretaria, sala dos professores e uma sala para a coordenação. Nos últimos anos, foram implantadas rotinas administrativas informatizadas que tornaram mais ágeis o processamento e o encaminhamento dos requerimentos. Como recursos humanos, o Centro conta com a atuação de uma secretária geral encarregada da coordenação da parte administrativa e financeira dos Programas de Pós-Graduação da Faculdade de Medicina, uma estagiária, um “office-boy”. Como todo o conjunto da Universidade Pública Brasileira, vimos sofrendo as conseqüências da diminuição do nosso contingente de funcionários administrativos. A centralização administrativa dos diversos programas de pós-graduação da Faculdade de Medicina da UFMG veio atender não apenas a metas de racionalização da utilização de recursos humanos, mas também, à necessidade de se aproveitar, da melhor maneira possível, funcionários habilitados cada vez mais escassos. Com grande esforço do corpo de funcionários disponíveis, assim como dos docentes do Programa, temos conseguido, embora com dificuldade, superar as inúmeras adversidades administrativas e gerenciais advindas dessa situação.