Faculdade de Medicina

Universidade Federal de Minas Gerais


Notícias Externas

Vulnerabilidades urbanas: trânsito e realidade social


Publicado em: Aspas SonorasExternas - 14 de setembro de 2017

Vulnerabilidade social e à saúde, e sua relação com o trânsito, é assunto da nova edição das Aspas Sonoras

Marcos Paulo Rodrigues*

Faixas de pedestres mal sinalizadas e semáforos de curta duração, falta de ciclovias e planejamento urbano focado nos veículos maiores. Esses são exemplos de como a estrutura da cidade cria vulnerabilidades no trânsito, o que pode influenciar na saúde e qualidade de vida da população.

Segundo o Código Brasileiro de Trânsito, a hierarquia no trânsito responsabiliza os veículos maiores em relação aos menores, ou seja, ciclistas são mais vulneráveis do que motociclistas e motoristas de carros de pequeno porte, e assim por diante. Para a professora da Faculdade de Medicina da UFMG e coordenadora do Observatório de Saúde Urbana de Belo Horizonte, Waleska Caiaffa, a cidade foi planejada para os automóveis:

 

Waleska reforça a vulnerabilidade dos motociclistas, com a necessidade de ações voltadas a uma integração mais justa e segura desse grupo. Segundo ela, em geral, um motociclista não tem condições de manter um veículo maior, fator que evidencia o uso desigual dos espaços urbanos:

Especialista entrevistada cita necessidade de intervenções para motociclistas, grupo vulnerável no trânsito. Fonte: viacertanatal

 

Semana Nacional de Trânsito 2017

Nesta segunda-feira, a partir das 12h, acontece a I Simulação Realística do Campus Saúde da UFMG: Educação, Gestão e Ação, atividade da Semana Nacional de Trânsito deste ano. Ações de educação em saúde direcionadas à prevenção de agravos em trânsito e promoção de atendimento pré-hospitalar à vítima com trauma serão abertas ao público no campus Saúde da UFMG. A atividade conta com parceria do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais e do Serviço Médico de Atendimento de Urgência (Samu/BH).

Vulnerabilidade: efeito dominó

Waleska Caiaffa relaciona a vulnerabilidade social, associada ao nível socioeconômico, escolaridade e acesso aos bens de serviço, à vulnerabilidade à saúde, quando são considerados aspectos ligados à saúde nesses indicadores. Para saber mais sobre o que é um contexto social vulnerável, confira o programa de segunda-feira da série “Às Margens da Cidade”, produzida pelo Saúde com Ciência.

De acordo com a especialista, a vulnerabilidade começa antes mesmo da gestação, porque o indivíduo depende de quem é sua gestora, onde e como ela vive. Se há, por exemplo, uma situação de risco de uma adolescente ficar grávida, dificilmente o quadro mudará para o bebê, que também estará em um contexto de vulnerabilidade social e à saúde, como um “efeito dominó”:

 

A professora Waleska ainda lembra que, do ponto de vista do acesso à saúde, à escola e à mobilidade, dentre outros, há maior complexidade para os moradores de aglomerados e outras regiões vulneráveis, acentuando uma situação de segregação. Se, por um lado, as paredes que separam os espaços das cidades são “invisíveis”, por outro as pessoas que vivem nessas áreas precisam lidar com a invisibilidade:


Aspas Sonoras

As “Aspas Sonoras”, produção do Centro de Comunicação Social da Faculdade de Medicina da UFMG, ampliam a discussão sobre os temas abordados nas séries realizadas pelo programa de rádio Saúde com Ciência. As matérias apresentam áudios e textos inéditos daquilo que foi apurado durante as produções.

A série “Às Margens da Cidade” foi ao ar entre os dias 31 de julho e 4 de agosto. Nela, foram abordados assuntos como o acesso à saúde às pessoas que vivem em aglomerados, indivíduos em situação de rua e os obstáculos sociais enfrentados por ex-detentos.

*Edição: Lucas Rodrigues

Leia também:

Acidentes com motos são causados por imprudência e má formação

Pedalar traz saúde

Violência no trânsito: o individualismo em números

Bombeiros e Samu participam de simulação no campus Saúde

    Contador de visitas: 177 visualizações

    Veja também: