denizli escort hatay escort ümraniye escort izmit escort iskenderun escort

APP Meu Pré-natal: 10 mil downloads em seis meses

Desenvolvido no Centro de Informática em Saúde – CINS da Faculdade de Medicina da UFMG, o aplicativo está disponível para download e vem sendo atualizado para oferecer cada vez mais serviços às futuras mães. Conheça a seguir em detalhes pela matéria publicada no site da UFMG e baixe gratuitamente em sua loja de aplicativos iOS ou Android.

Medicina desenvolve aplicativo que mantém gestantes informadas durante o pré-natal
quinta-feira, 13 de outubro de 2016, às 7h53

Para enfrentar as demandas do atendimento pré-natal e a dificuldade de encontrar uma linguagem adequada para informar as gestantes, a Faculdade de Medicina da UFMG projetou e desenvolveu o aplicativo interativo Meu pré-natal, que busca responder às principais dúvidas das futuras mães durante o atendimento pré-natal.

Gratuito, ele está disponível para IOS e Android, e, em breve, também na Microsoft Store, do Windows Phone.

O aplicativo oferece informações em ordem cronológica, no formato de pergunta e resposta, para a mãe se manter orientada sobre os cuidados e as transformações em seu corpo. Ele conta, também, com um gestograma, calendário gestacional que os profissionais de saúde utilizam para determinar a data prevista para o parto, orientações para o plano de parto recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), contador de contrações que auxilia a mulher a identificar o momento de deslocar-se para o hospital e álbum de fotos organizado em uma espécie de linha do tempo.

Segundo a coordenadora do projeto e professora do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia, Zilma Reis, o diferencial do aplicativo em relação a outros do tipo é o fato de que todo seu conteúdo se baseia nas melhores evidências científicas, buscando evitar a prematuridade do parto, principal causa de morte entre os bebês ao nascer.

O desenvolvimento do aplicativo contou com participação de alunos de graduação, pós-graduação, web designers, programadores e professores da Escola de Enfermagem e da Faculdade de Medicina. Foi financiado com recursos do projeto de pesquisa Skin Age, desenvolvido na UFMG com patrocínio da Fundação Bill & Melinda Gates, e da Fapemig.

(Com Assessoria de Comunicação da Faculdade de Medicina)

Fonte: https://www.ufmg.br/online/arquivos/045561.shtml

Print Friendly