Sobre

Administração

Chefe do Departamento
Cristiana Buzelin Nunes

Vice chefe do Departamento
Marina de Brot Andrade

Coordenador da Graduação – área de Anatomia Patológica
Marcelo Antônio Pascoal Xavier

Coordenador da Graduação – área de Medicina Legal 
José Mauro de Moraes

Coordenador dos Programas de Graduação (monitoria) 
Marcelo Antônio Pascoal Xavier

Secretária Administrativa 
Maria Célia Graveli Neves

Coordenador da Pós-graduação em Patologia – (mestrado e doutorado) 
Rosa Maria Esteves Arantes

Laboratórios e serviços especializados

Coordenação

Laboratório de Imuno-histoquímica – Dr. Renato Santos Laboissiére

Laboratório de Nefropatologia – Prof. Eduardo Alves Bambirra

Laboratório de Hematopatologia – Profa. Mônica Maria Demas Álvares Cabral

Laboratório de Patologia mamária – Profa. Helenice Gobbi

Laboratório de Patologia Gástrica – Profa Mônica Maria Demas Álvares Cabral

Laboratório de Patologia do Intestino Delgado – Prof. Geraldo Brasileiro Filho

Laboratório de Patologia Digestiva e Neuroendócrina (LPDN) – Prof. Alfredo José Afonso Barbosa

Laboratório de Patologia Hepática – Profa. Paula Vieira Teixeira Vidigal

Laboratório de Patologia Molecular – Profs. Marcelo Antônio Pascoal Xavier e Paula Vieira Teixeira Vidigal

Ambulatório de punção de tireóide – Prof. Eduardo Paulino Júnior

Histórico

Disciplina Anatomia Patológica

Atualmente as disciplinas de Anatomia Patológica Médica (APM I e II) ocupam carga didática no quinto e sexto período da Graduação em Medicina.

A história da Anatomia Patológica na Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais iniciou-se em 10 de março de 1912 com a contratação do Professor Walter Haberfeld da Alemanha. O Prof. Haberfeld foi substituido pelo Prof. Roberto de Almeida Cunha, cujo nome aparece no quadro de professores da Faculdade em 1918, ano do seu reconhecimento oficial. O Prof. Almeida Cunha aposentou-se em 1958 como catedrático de Microbiologia, sua definitiva vocação. Neste período manteve-se ativo o Serviço de Necrópsias, sendo expressiva a participação de docentes da área clínica, especialmente os professores João Afonso Moreira e Mello Leitão, aparecendo, ainda, os nomes dos Drs. Ary Ferreira e Evandro Ferreira Barros.

Em 1919 há registro do Dr. Carlos Pinheiro Chagas como Docente-Livre das Cadeiras de Histologia e Anatomia Patológica. Em 1927 o Prof. Carlos Pinheiro Chagas consta como licenciado, aparecendo o nome do Dr. Yvon Rodrigues Vieira como responsável pela disciplina. Dentro do primeiro esboço da estrutura departamental, em 1931 criou-se o Departamento de Patologia, constituído pelas disciplinas Patologia Geral, Anatomia e Fisiologia Patológicas, Microbiologia e Parasitologia.

Em 1933 foi indicado o Prof. Roberto de Almeida Cunha como Professor Substituto da disciplina Anatomia Patológica. Até o ano de 1936 foi constante a presença nos registros de necrópsias dos nomes dos Drs. Evandro Fonseca Barros e Yvon Rodrigues Vieira e, a partir de 1942, tornou-se freqüente a atuação dos professores José Lopes de Faria, Paulo R.F. Borges e, principalmente, do Prof. Moacyr A. Junqueira. A Faculdade, em 1938, reconhecendo o alto interesse para o ensino médico, providenciou instalações adequadas para a Cadeira de Anatomia Patológica e entregou sua regência, mediante contrato, ao patologista Prof. Osvino Alvares Pena. Este permaneceu por pouco tempo, retornando ao Instituto Oswaldo Cruz (Rio de Janeiro). Assumiu, então, interinamente o Dr. Paulo Elejalde, entre 9 de fevereiro de 1939 e janeiro de 1941, época na qual a regência passou a ser ocupada pelo Prof. Octávio de Magalhães.

Sensível à necessidade de contratação de um “especialista” para uma disciplina fundamental ao curso médico, a Congregação deliberou autorizar a Diretoria manter contato com o Prof. Luigi Bogliolo, Patologista italiano com passagem pelas Universidades de Pisa e Bari (Italia), na época radicado no Rio de Janeiro. Esta contratação somente se concretizaria em 31 de janeiro de 1944, havendo permanecido interinamente no cargo o Prof. Octávio de Magalhães. O Conselho Universitário da UFMG aprovou a contratação e sua posterior renovação em 1952, quando recomendou à Faculdade melhor aparelhamento do laboratório de Anatomia Patológica.

O Prof. Bogliolo, com o objetivo de alcançar a Cátedra, submeteu-se à revalidação do seu diploma de médico entre os anos de 1953 e 1957. Em 1958 apresentou tese de Doutoramento e em 1959 tornou-se Catedrático em Anatomia Patológica. O Departamento de Anatomia Patológica (a partir de 1970, Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal) foi chefiado pelo Prof. Bogliolo até o final de 1975, ocorrendo sua aposentadoria compulsória em abril de 1978, quando recebeu da Faculdade o título de Professor Emérito.

Durante 34 anos Bogliolo consolidou respeitada Escola de Anatomia Patológica, contando com a colaboração de numerosos professores: Paulo Roberto Ferreira Borges, João Henriques Freitas Filho (posteriormente Catedrático e Professor Titular de Medicina Legal), Nello de Moura Rangel (ocupou a Cátedra de Histologia e Embriologia), Edmundo Chapadeiro (Professor Titular de Anatomia Patológica e Diretor da Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro), Iracema Mathilde Baccarini (Professora Adjunta em Anatomia Patológica e Clínica Obstétrica), Washington Luiz Tafuri (Professor Titular e Emérito, Chefe do Centro de Microscopia Eletrônica), Pedro Raso (Professor Titular e Emérito), Celso Pedro Tafuri (Professor Adjunto), Pérsio Godoy (Professor Adjunto), Alberto Nicolau Raick (Professor Titular na Universidade de Brasilia), José Geraldo Albernaz (Catedrático de Clínica Neurológica), Guilherme Cabral Filho (Professor Titular de Neurologia), Abadio Marques Neder, Isauro Epiphaneo Pereira, Jader Teixeira de Siqueira, Evilázio Teubner Ferreira, Waldemar Ladosky, Aluízio Molinar, Neide Garcia de Lima, Ayrton Garcia Leão (Professor Assistente), Romeu Cardoso Guimaràes (Professor Titular de Genética em Botucatu), Luiz Otávio Savassi Rocha (Professor Adjunto de Clínica Médica), José Eymard Homem Pittella (Professor Titular), Alfredo José Afonso Barbosa (Professor Titular), Eduardo Alves Bambirra (Professor Titular), Geraldo Brasileiro Filho (Professor Titular).

Após o afastamento do Prof. Bogliolo, o APM continuou destacando-se como um dos Departamentos mais produtivos da Universidade, particularmente pela contínua titulação dos seus docentes e expressivo número de pesquisas, principalmente considerando o número de docentes. É significativa a participação dos discentes neste esforço, através dos programas de bolsas ou voluntariamente. No ano de 1996, foram publicados 23 artigos científicos, 11 em periódicos estrangeiros e 12 em nacionais, além de 30 resumos em anais de eventos nacionais e internacionais.

Na década de 90 e no início da última década ficaram fortalecidos os diversos segmentos (especialidades) do APM, muitos dos quais constituem notória referência, que ultrapassa os limites da Faculdade (Laboratório de Neuropatologia, Patologia Digestiva e Neuroendócrina, Patologia Gástrica, Patologia Hepática, Patologia Endócrina, Patologia Fetal e Perinatal, Patologia da Medula Óssea, Nefropatologia, Biologia Molecular, Patologia da Mama).

O livro Patologia (Bogliolo), de autoria do Professor Bogliolo, teve garantida a continuidade de suas edições, com a efetiva colaboração do APM, atualmente com a editoria do Prof. Geraldo Brasileiro Filho, tornando-se publicação importante na área de ensino em Patologia no Brasil. A obra conta agora com maior número de colaboradores de expressão nas diversas áreas da Patalogia em todo o território nacional.

Disciplina Medicina Legal e Deontologia

Entre os professores fundadores da Faculdade de Medicina em 25 de junho de 1911, figura o Prof. Cícero Ribeiro Rodrigues Ferreira como ocupante da Cadeira de Medicina Legal, permaneceu no cargo até 31 de julho 1920. O Prof. Cícero Ferreira representou o grande articulador do reconhecimento da Faculdade, fato concretizado em 20 de fevereiro de 1918. Em 1921 registra-se o Dr. Leontino Cunha, como professor substituto,Criou-se, em 4 de março de 1931, o Departamento de Medicina Püblica, composto das disciplinas Higiene e Medicina Legal. No mesmo ano, em 31 de outubro, foi empossado como Livre Docente em Medicina Legal o Dr. Oscar Negrão de Lima; este professor, em 25 de fevereiro de 1933, foi indicado para regência, ocupando, finalmente, a Cátedra da Medicina Legal em 16 de setembro de 1935. Em 1963 faziam parte da relação de docentes do Departamento de Medicina Legal , além do catedrático, Prof. Oscar Negrão de Lima, os Drs. Geraldo Roedel, José Barbosa e João Henriques de Freitas Filho .

A partir de 1964, a disciplina de Medicina Legal e Deontologia veio ser ministrada pelo Prof. João de Freitas (João Henriques de Freitas Filho), a principio assistente voluntário, depois livre-docente, quando defendeu a tese Aspectos da morte tímica, dedicada ao Prof. Liberato J.A. DiDio, e professor titular. Na década de setenta, o Dr. Roberto Pereira Campos (auxiliar de ensino) substituiu Geraldo Roedel (aposentado), e José Frank Wyebrek Marotta (auxiliar de ensino) substituiu José Barbosa (demissão a pedido). Na mesma década, Dr. Ivan Lage (auxiliar de ensino) substituiu José Frank W. Marotta (demissão voluntária). Em julho de 1988 o Prof. João de Freitas foi jubilado (aposentadoria compulsória).

Atualmente a Disciplina Medicina Legal e Deontologia Médica é composta pelos Profs. José Mauro de Moraes e Vanessa Fortes Zschaber Marinho, além de eventuais professores substitutos. Exercem suas atividades didáticas na Faculdade de Medicina e de Direito.